Biblioteca


        
 
Título
Categoria Tipo de publicação
Descrição Autores


Manejo ambiental com vistas à restauração de área invadida por Hedychium coronarium J. Köenig (Zingiberaceae) - Dissertação Mestrado pela UFSC

RESUMO

Espécies exóticas invasoras (EEI) são aquelas que chegam, com ajuda humana, a um hábitat que não ocupavam anteriormente, estabelecem uma ou mais populações e se disseminam de forma autônoma a maiores distâncias. Invasões por plantas exóticas podem afetar os ecossistemas invadidos, causando, dentre demais impactos, uma modificação da composição e riqueza florística. Unidades de conservação vêm sendo invadidas por espécies exóticas, sendo necessário controlar estas espécies de forma a prevenir impactos causados por invasões biológicas. Uma das técnicas de manejo de plantas exóticas invasoras, o controle almeja restringir a abundância e a distribuição de EEI a limites pré-estabelecidos, de forma a reduzir sua competitividade e permitir às espécies nativas a sua recuperação. Efeitos duradouros da presença de EEI nos ambientes invadidos, ou legacy effects, podem dificultar a recolonização por espécies nativas após a retirada das EEI, sendo necessárias outras intervenções para restauração destas áreas. Técnicas de restauração fundamentadas nos processos naturais de sucessão ecológica podem acelerar a recolonização local por espécies nativas. Uma destas técnicas, a transposição de solo, consiste da retirada da camada superficial do solo de uma comunidade vegetal local, em estágio sucessional mais avançado, e aplicação deste material sobre a área a ser restaurada, visando a recolonização do solo por microorganismos e introdução de sementes e outros propágulos. Hedychium coronarium J. Koenig (Zingiberaceae) é uma espécie herbácea rizomatosa, originária do Himalaia, considerada invasora em diversos países. O presente estudo visa comparar a resposta da assembleia vegetal em uma área invadida por H. coronarium após a execução de diferentes medidas de manejo ambiental. A hipótese testada foi que ao associar a transposição de solo ao controle da EEI pelo uso de herbicida seriam observadas maiores riqueza e abundância de espécies comparativamente a áreas manejadas exclusivamente com herbicida, áreas nas quais foi feita somente a transposição de solo e áreas nas quais a espécie não foi manejada. O experimento, implementado na Floresta Nacional de Ibirama (Ibirama, SC, Brasil) foi delineado em 12 blocos casualizados, cada um composto por quatro parcelas de 1 m2, as quais foram aleatoriamente selecionadas para receber um dos tratamentos: “Solo” - Corte das rametas de H. coronarium e transposição de camada de 5 cm de solo de área em estágio avançado de regeneração; “Herb” – Corte das rametas de H. coronarium e aplicação foliar de herbicida à base de Glifosato a 3% sobre rebrotas de H. coronarium; “Solo+Herb” – Corte das rametas de H. coronarium, aplicação foliar de herbicida à base de

Glifosato a 3% sobre rebrotas de H. coronarium e transposição de solo; “Controle” - sem intervenção. Antes da aplicação dos tratamentos, e nos onze meses seguintes, as parcelas foram avaliadas quanto ao número de rametas de H. coronarium, altura média das rametas (média de dez rametas selecionadas ao acaso), porcentagem de cobertura por H. coronarium e por outras espécies (nativas e exóticas), riqueza e abundância de espécies (todas exceto H. coronarium). Os dados coletados foram analisados por meio de LMM e GLMM para detectar diferenças entre tratamentos quanto aos parâmetros mensurados, sendo utilizada como variável resposta a diferença entre os valores finais e iniciais de cada parâmetro. Diferenças entre os tratamentos quanto à composição de espécies regenerantes foram avaliadas por Análises de Coordenadas Principais (PCoA). Tratamentos com controle químico (com e sem transposição de solo) tiveram resultados semelhantes em todos os parâmetros avaliados e na composição florística, predominantemente composta por ervas e arbustos. O tratamento que envolveu apenas o corte de rametas de H. coronarium e transposição de solo diferiu dos demais tratamentos em todos os parâmetros analisados: não houve efeito na redução de H. coronarium e o estabelecimento de espécies regenerantes foi inferior aos demais tratamentos, quanto à riqueza, abundância e cobertura. Quanto à composição florística nestas parcelas, houve predominância de espécies arbóreas. Não foi possível corroborar a hipótese de que a transposição de solo proporcionaria maior riqueza e abundância de espécies em parcelas tratadas com herbicida, dada a semelhança entre os resultados dos tratamentos que receberam herbicida. Como a transposição de solo em parcelas não manejadas com herbicida permitiu o estabelecimento de plântulas de espécies arbóreas, há indícios de que o sombreamento proporcionado por H. coronarium nestas parcelas possa ter influência sobre a composição da assembleia de plantas na área manejada. Em virtude da dormência de sementes observada em espécies arbóreas da Floresta Atlântica, é provável que ainda ocorra germinação de sementes nas parcelas manejadas com transposição de solo (com e sem herbicida). Neste cenário, seria interessante acompanhar o experimento por mais tempo, para verificar se a composição florística das parcelas do tratamento que recebeu solo e herbicida será mais influenciada, no futuro, pelos propágulos de espécies arbóreas recebidos. Os dados obtidos até o momento indicam que o manejo da área por meio de controle químico é suficiente para proporcionar aumento na riqueza e abundância de espécies, e a transposição de solo permite a colonização por espécies que podem acelerar o processo de restauração.

Palavras-chave: 1. Controle químico, 2. Espécies exóticas invasoras, 3. Plantas exóticas invasoras, 4. Transposição de solo, 5. Unidades de conservação

Ano de Publicação: 2019

BIODIVERSIDADE E CONSERVAÇÃO MARINHA - REVISTA CEPSUL - ICMBIO

Acervo Digital

CEPSUL / ICMBIO - Centro de Pesquisa e Gestão de Recursos Pesqueiros do Litoral Sudeste e Sul.

http://www.icmbio.gov.br/cepsul/acervo-digital.html

(http://www.icmbio.gov.br/revistaeletronica/index.php/cepsul/index

Estão disponíveis documentos em texto integral para download em formato PDF.

 

BOLETINS DE PLANOS DE AÇÃO

São boletins com notiícias e informações provenientes de colaboradores, articuladores e membros dos grupos de assessoramento técnico dos planos de ação nacionais para a conservação da fauna coordenados pelo CEPSUL.

 

Trabalhos Técnicos

São documentos, relatórios técnico-científicos produzidos pelo CEPSUL, SUDEPE, IBAMA, ICMBio e MMA provenientes de pesquisas, oficinas e reuniões de comitês científicos realizadas por seus pesquisadores, bem como em parcerias com outras instituições.

Relatório de Ordenamento

São documentos técnicos resultantes do processo de discussão para o ordenamento do setor pesqueiro.

Estatística de Produção Pesqueira

Apresenta informações estatísticas sobre a produção pesqueira organizada por ano e por Região (Brasil, Santa Catarina, Rio Grande do Sul, Paraná, São Paulo, Rio de Janeiro e Espírito).

Por Ano    Por Região

Artigos Científicos

Apresenta trabalhos científicos publicados pelos pesquisadores do CEPSUL ou desenvolvidos em parecerias com outras instituições.

Eventos Científicos

Trabalhos apresentados em eventos científicos pelos pesquisadores do CEPSUL ou desenvolvidos em parcerias com outras instituições.

Teses e Dissertações

Relatórios de pesquisas de pós-graduação desenvolvidas pelos pesquisdores do CEPSUL e/ou com apoio do CEPSUL.

Mapas Temáticos

Mapas sobre: fauna ameaçada de extinção, distribuição de crustáceos capturados, distribuição da frota pesqueira e distribuição de recursos pelágicos capturados.

Livros Digitais

Ano de Publicação: 2010 / 2011 / 2012 / 2013 / 2014 / 2015 / 2016 / 2017 / 2018 / 2019

ELASMOTÍCIA - Boletim mensal do Plano de Ação Nacional para a Conservação dos Tubarões e Raias Marinhos Ameaçados de Extinção - PAN Tubarões - Edição 04 - Março 2019

Ano de Publicação: 2019

ELASMOTÍCIA - Boletim mensal do Plano de Ação Nacional para a Conservação dos Tubarões e Raias Marinhos Ameaçados de Extinção - PAN Tubarões - edição 03 - desembro 2018

Ano de Publicação: 2018

ELASMOTÍCIA - Boletim mensal do Plano de Ação Nacional para a Conservaçãodos Tubarões e Raias Marinhos Ameaçados de Extinção - PAN Tubarões - edição 02 - outubro 2018

Ano de Publicação: 2018

ELASMOTÍCIA - Boletim mensal do Plano de Ação Nacional para a Conservação dos Tubarões e Raias Marinhos Ameaçados de Extinção - PAN Tubarões

Ano de Publicação: 2018

LAGOANDO - Boletim PAN Lagoas do Sul -Edição 02 –Novembro de 2

Espaço de divulgação de ações do PAN Lagoas do Sul

Ano de Publicação: 2018

LAGOANDO - Boletim PAN Lagoas do Sul -Edição Especial de Lançamento 01 –Setembro de 2018

O Plano de Ação Nacional para a Conservação de Sistemas Lacustres e Lagunares do Sul do Brasil (PAN Lagoas do Sul) foi criado a partir de iniciativas e ações existentes em diferentes espaços de governança e que vêm contribuindo direta ou indiretamente para a conservação das lagoas e espécies associadas. Dentre as temáticas do PAN tem-se as práticas e experiências da pesca artesanal, de agroecologia, de gestão de Unidades de Conservação, depecuária verde,de educação, de pesquisa, de valorização de modos de vida tradicionais,entre outras, deliberadas e geridas em diferentes fóruns (espaços de gestão territorial coletivaemulti-institucional). Desta forma, busca articular ações de conservação de espécies e de ecossistemas a partir de uma abordagem territorial.

Ano de Publicação: 2018

Comércio de Caça na Região da Estação Ecológica Raso da Catarina, Bahia, Brasil

RESUMO 

 A caça de animais silvestres é uma das formas mais antigas de exploração da fauna que se tem conhecimento e vem sendo apontada como uma das principais razões de ameaça à vida silvestre. Este estudo registrou as espécies caçadas e sua importância para fins comerciais, e analisou a estrutura do comércio da caça praticada na região da Estação Ecológica Raso da Catarina (ESEC Raso da Catarina), no estado da Bahia, Brasil. Foi utilizado o método de pesquisa em triangulação de dados, com base em entrevistas semiestruturadas com caçadores, funcionários do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) da ESEC Raso da Catarina e policiais da Companhia de Policiamento Especializado da Caatinga (CIPE/Caatinga). Como índice quantitativo foi calculado o Valor de Uso (VU) das espécies para demonstrar sua importância devido ao uso na caça. Para compreender a estrutura do comércio de caça na região, foi realizada a análise de Classificação Hierárquica Descendente (CHD) no software Iramuteq. Os entrevistados citaram 10 espécies caçadas para fins comerciais pertencentes aos grupos dos mamíferos e aves. Os maiores VU foram para o tatu-verdadeiro (Dasypus novemcinctus) (VU=0,63) e tatu-peba (Euphractus sexcinctus) (VU=0,58), cujos valores comerciais variaram entre R$ 30 e R$ 80. O estudo demonstrou que existe comércio de caça na região, sendo os compradores provenientes de Paulo Afonso, Jeremoabo, Santa Brígida e região, e a apreciação pelo sabor da carne é a maior motivação. A venda ocorre de forma simples e em escala local; a caça é oferecida pelos caçadores da região ou encomendada por atravessadores e revendida em feiras próximas. O estudo amplia o conhecimento sobre a caça comercial na Caatinga e recomenda a intensificação da fiscalização e o estabelecimento de parcerias com agências de polícias, assim como a implementação de programas de geração de renda e educação ambiental para sensibilização da população sobre os impactos do consumo da carne de caça.

Palavras-chave: Caatinga; caça comercial; triangulação; unidade de conservação.


ABSTRACT – Hunting Trade in the Raso da Catarina Ecological Station Region, Bahia, Brazil. Hunting is one of the oldest known forms of wildlife exploitation of the fauna that is known and has been cited as one of the main reasons of threat to wildlife. This study recorded the hunting species and their importance for trade and analyzed the trade structure of hunting practiced in the Raso of Catarina Ecological Station (ESEC Raso da Catarina) in the state of Bahia, Brazil. We used the data triangulation research method, based on semi-structured interviews with hunters, employees of the Chico Mendes Institute of Biodiversity Conservation (ICMBio) of ESEC Raso da Catarina and police officers of the Specialized Policing Commission of the Caatinga (CIPE/Caatinga). As a quantitative index was calculated the Value of Use of the species to demonstrate their importance in trade. To understand the structure of hunting trade in the region, the Downward Hierarchical Classification (CHD) analysis was performed in Iramuteq software. The interviewees cited 10 species hunted for trade belonging to groups of mammals and birds. The highest VU were for the true armadillo (Dasypus novemcinctus) (VU = 0.63) and armadillo (Euphractus sexcinctus) (VU = 0.58), whose trade values ranged from R$ 30 to R$ 80. The study showed that there is a poaching in the region, buyers are from Paulo Afonso, Jeremoabo, Santa Brigida and neighborhood and appreciation for the taste of meat is the greatest motivation. The sale occurs simply and locally, the meat is offered locally by the hunters in the region or ordered by middlemen and resold at fairs in the region. The study expands knowledge about the poaching in the Caatinga and recommends intensification of enforcement and partnerships with police agencies, as well as the implementation of source of income and environmental education programs and campaigns to raise public awareness about the impacts of the consumption of wildilife meat.

Keywords: Caatinga; wildlife trade; triangulation, protected area.

Ano de Publicação: 2018

Caça de Vertebrados no Parque Nacional da Serra do Divisor, Acre

Ano de Publicação: 2018