Biblioteca


        
 
Título
Categoria Tipo de publicação
Descrição Autores


Agroforestry extension and protected areas conservation in the Brazilian Amazon. Doctor of Philosophy (PhD) thesis, University of Kent,.

Ano de Publicação: 2016

Vegetation, climate and fire dynamics of Upper Montane Forest and Campos de Altitude during the Holocene in southeastern Brazil Dissertation For the award of the degree Doctor of Philosophy (Ph.D. Division of Mathematics and Natural Sciences) Of the Georg-August-University of Göttingen

Summary

The Atlantic Forest biome is well known as one of the mostly biodiversity regions on earth, hosting high species endemism and species/area ratio. It stretches around 1,300,000 km2 along the Brazilian coast between latitudes 3o and 33º S and longitudes 35o and 57º E. Due to the increase of human impact through the intensification of landuse and consequent broad landscape replacement along the centuries, only 10-15% of the Atlantic Forest biome remains in a natural or semi-natural state, being considered one of the most priority areas for conservation. It encompasses a wide variation of climates and geomorphologies, resulting in a complex mosaic of different ecosystems. Among them, the Araucaria forest, upper montane Atlantic rain forest (cloud forest) and the campos de altitude (high elevation grassland) occur on the Brazilian coastal highlands, which extends for about 1000 km parallel to the coastline from southern to southeastern Brazil. The Araucaria forest distribution is related to humid and relative cold climatic conditions, between 400 and 1400 m a.s.l. in southern Brazil and in smaller fragments at altitudes between 1400 and 1800 m a.s.l. in southeastern Brazil. Currently, it has been reduced to c. 7% of its original distribution. The upper montane Atlantic rain forest spread in the upper slopes of the Brazilian coastal highlands of southern and southeastern Brazil, normally above around 1100 m a.s.l. in the south and above around 1500 m a.s.l. in the southeast, mainly occupying the concavities and protected sites. The campos de altitude is a typical open vegetation, restricted to small areas on the summits of the higher peaks and plateaux. Palaeoecological studies demonstrated that, although the mosaic of these ecosystems has prevailed along the Holocene, the perpetuation of campos de altitude is very fragile. The grassland vegetation expands under colder and dry climate conditions and seems to be fire adapted suggesting that the current area of campos de altitude is larger than the modern climate alone would dictate, especially in warmer, lower elevation sites. Moreover, climate changes studies suggest a warmer and wetter climate during the 21st century which it is likely to intensify the upward movement of the Atlantic Forest at the expense of open ecosystems like the campos de altitude. In this research, the past and present relationship of the mosaic of campos de altitude and upper montane forests (Araucaria forest and upper montane Atlantic rain forest) are explored through palynological analyses. Foremost, the currently correlation between vegetation cover and pollen production was investigated. It was observed that arboreal taxa are over-represented in campos the altitude assemblage and that the campos de altitude pollen assemblage represents a much larger source area than the forest pollen assemblage, which is comprised of more local taxa. Afterwards, a record of the last almost 10,000 years was analysed. This study showed that, although upper montane forest taxa have been in the broader region of the study site throughout the Holocene, the forest vegetation has spread mostly in Late Holocene. Until around 1350 cal yr BP campos de altitude vegetation was much more widespread. Overall, the results demonstrated that increase in temperature and precipitation throughout the Holocene favoured the upward expansion of the forest. Furthermore, the research indicated that fire was presented before human arrival in southeastern Brazil, implying an adaptation of open vegetation to frequent fire. Latter, the dynamics of the vegetation on the last seven centuries was investigated. The outcomes revealed that anthropogenic disturbances such as fire, livestock grazing and logging have played a clear role in driving grassland-forest relationships in southeastern Brazilian highlands. Based on the outcomes of this research, the maintenance of the mosaic of forestgrassland in the current and projected climate trends depends on an active disturbance management and a changed in conservation focus from forest to non-forest habitats.


Resumo

O bioma Mata Atlântica é mundialmente reconhecido como uma das regiões de maior diversidade biológica do planeta, abrigando elevada riqueza de espécies e um elevado número de espécies endêmicas, se estendendo por cerca de 1.300.000 km2 ao longo da costa brasileira, entre as latitudes 3o e 33o S e longitudes 35o e 57o L. Como resultado do incremento das atividades humanas de uso da terra e, consequentemente, de ampla modificação da paisagem ao longo dos séculos, cerca de apenas 10-15% do bioma Mata Atlântica ainda se encontra em estado natural ou próximo ao natural, sendo considerados áreas prioritárias para conservação. Devido à grande variedade climática e geomorfológica, o bioma Mata Atlântica é um complexo mosaico de diferentes ecossistemas. Dentre estes, a floresta com Araucária (Floresta Ombrófila Mista), a floresta nebular (Floresta Ombrófila Densa Altomontana) e os campos de altitude ocupam as médias e altas altitudes da Serra do Mar, que se estende por cerca de 1000 km paralela à costa, do sul ao sudeste brasileiro. A distribuição da floresta com Araucária está relacionada ao clima úmido e relativamente frio, entre 400 e 1400 m s.n.m. no sul do Brasil e em fragmentos menores entre as altitudes de 1400 a 1800 m s.n.m. no Sudeste. Atualmente, está reduzida a não mais do que 7% da sua distribuição original. A floresta nebular se estende nas encostas do alto da Serra do mar, normalmente acima de 1100 m s.n.m. no Sul e acima de 1500 m s.n.m. no sudeste do Brasil, nos pequenos vales e sítios protegidos. Os campos de altitude são uma vegetação tipicamente herbácea, restrita aos cumes e picos da serra e aos platôs mais elevados. Estudos paleoecológicos demonstraram que, apesar deste mosaico de ecossistemas ter persistido durante o Holoceno, a perpetuação dos campos de altitude é muito frágil. Como a vegetação campestre se expande em condições climáticas mais frias e secas e parece ser adaptada ao fogo, sugere-se que a presente área de campos de altitude é maior do que esperada sobre as condições climáticas atuais, especialmente em locais mais quentes em altitudes mais baixas. Além disso, estudos de mudanças climáticas preveem um clima mais quente e úmido durante o século 21, que provavelmente irá intensificar a migração da floresta atlântica para maiores altitudes, em detrimento da vegetação campestre. Nesta pesquisa, as relações passadas e presentes do mosaico de campos de altitude e florestas altomontanas (floresta com Araucária e floresta Atlântica nebular) são exploradas por meio de análises palinológicas. Inicialmente, foi investigada a correlação atual entre cobertura vegetal e produção de pólen. Observou-se que os taxa arbóreos são superestimados no conjunto de pólen de campos de altitude, constituindo uma área muito maior de captação de pólen do que no conjunto de pólen arbóreos. Sendo assim, o conjunto de pólen que caracteriza a vegetação de campos de altitude apresenta uma grande proporção de taxa de vegetação arbórea. Posteriormente, um sedimento de quase 10.000 anos foi analisado, demonstrando que, apesar dos taxa representantes da floresta altomontana estarem presentes na região de estudo durante todo o Holoceno, a vegetação florestal expandiu majoritariamente durante o Holoceno Tardio. Até cerca de 1350 cal a AP, a vegetação de campos de altitude ocupava áreas mais extensas. Em geral, os resultados demonstraram que o aumento de temperatura e precipitação ao longo do Holoceno favoreceram a migração da floresta para altitudes mais elevadas. Além disso, a pesquisa indicou que o fogo já estava presente na região antes da chegada dos primeiros humanos no Sudeste do Brasil, implicando na adaptação da vegetação campestre ao fogo. Por último analisou-se a dinâmica da vegetação nos últimos sete séculos. Os resultados indicaram que interferências antropogênicas como fogo, pastoreio e exploração madeireira desempenharam um importante papel na relação campos-floresta na Serra do Mar do Sudeste do Brasil. Com base nestes estudos, sugere-se que a manutenção do mosaico de campos de altitude e floresta no clima presente e futuro depende tanto de um manejo ativo quanto da mudança de foco da conservação de ambientes florestais para ambientes campestres.

Ano de Publicação: 2019

Risco e Ordenamento de Áreas Protegidas: Floresta Nacional de Ipanema e Parque Natural do Alvão - Tese de Doutorado pela Universidade de Lisboa / Univ. De Aveiro - Portugal

RESUMO

Com base nas premissas de que os instrumentos de gestão e de ordenamento territorial de diferentes escalas não abordam adequadamente o risco e de que análises mais aprofundadas de avaliação do risco deveriam ser incorporadas nos planos de manejo e de ordenamento de áreas protegidas para que os objetivos de proteção e de conservação sejam atingidos, este trabalho analisa a abordagem ao risco nos instrumentos de ordenamento e de apoio à gestão de duas áreas protegidas (AP): a Floresta Nacional de Ipanema, no Brasil, e o Parque Natural do Alvão, em Portugal. Apesar de se inserirem em políticas de ordenamento territorial, os Planos de Manejo (PM), no Brasil, e Planos de Ordenamento de Áreas Protegidas (POAP), em Portugal, relacionam-se direta e indiretamente com outras políticas (de desenvolvimento regional, ambientais, agrícolas etc.). Os PM e os POAP atuam em espaços geográficos definidos e gerenciados, permeados por uma rede sociopolítica complexa. Esses instrumentos de ordenamento devem levar em consideração as políticas, programas e planos territoriais e setoriais dos diferentes níveis (nacional, regionais e locais), verificando se esses planos afetam de maneira positiva ou negativa a gestão dessas áreas e buscando formas de compatibilizálos com seus objetivos (Esteves, 2015). Ao mesmo tempo, os planos de ordenamento territorial devem observar a presença de áreas protegidas e levar em conta os seus planos de gestão (Phillips, 2002). A primeira metade desta tese é dedicada a analisar se os planos e políticas se integram e se esses instrumentos abordam a gestão do risco às áreas protegidas. Em estágio seguinte, após a definição de metodologias de apoio, este trabalho propõe um modelo de análise do risco e de elaboração de cartografia de risco de incêndio florestal para a Floresta Nacional de Ipanema e o Parque Natural do Alvão, tendo como base principal os planos de manejo e de ordenamento dessas áreas. Os incêndios florestais em áreas protegidas interferem na conservação desses territórios e originam outras ameaças, como a fragmentação florestal e a perda de biodiversidade. As relações entre as ameaças às duas áreas protegidas foram identificadas e analisadas integradamente, com base nos planos de manejo e de ordenamento, em publicações científicas, em relatórios de oficinas participativas e em entrevistas com gestores e técnicos, o que possibilitou estabelecer uma rede de ameaças e suas origens. Em seguida, foi mapeada para cada AP a localização das ameaças internas e externas e seus graus de influência, gerando cartas de criticidade que puderam, então, ser cruzadas com as cartas de capacidade de suporte, de perigosidade e de valor, para a criação das cartas de risco de incêndio florestal. A partir delas, foram elaboradas, também, cartas de risco de fragmentação florestal das áreas estudadas, revelando os setores prioritários para intervenções de proteção e de conservação. Com a possibilidade da aplicação da metodologia de avaliação de risco de incêndio florestal proposta por este trabalho em outras AP do Brasil e de Portugal, esta tese se configura como uma ferramenta de apoio na execução de políticas públicas voltadas à gestão de áreas protegidas.

Palavras-chave: risco; áreas protegidas; cartografia de risco; políticas públicas


ABSTRACT

Based on the assumptions that management and spatial planning tools, in different scales, do not adequately deal with risks, and more in-depth risk assessment should be incorporated into the management plans of protected areas, this work analyzes the inclusion of risk and its approaches within the planning and management instruments of two protected areas: the Ipanema National Forest (Brazil) and the Alvão Natural Park (Portugal). Despite being part of territorial planning policies, protected area management plans are directly and indirectly related to other policies (regional development, environmental, agricultural etc.). These plans operate in defined and managed geographic spaces, which are inserted in a complex socio-political network, and must consider the policies and territorial and sectoral programs and plans of the different government levels (national, regional and local), checking whether these plans affect the management of these areas in a positive or negative way and seeking ways to make them compatible with its objectives (Esteves, 2015). At the same time, land management plans must observe the presence of protected areas and consider their management plans (Phillips, 2002). The first half of this thesis is dedicated to analyzing whether plans and policies are integrated and if they consider the risks at protected areas. In the next stage, after defining support methodologies, this work proposes a model for risk analysis and risk mapping of forest fires for the Ipanema National Forest and the Alvão Natural Park, using as main base the management plans of these areas. Forest fires in protected areas interfere with the conservation of these territories and rises other threats, such as forest fragmentation and loss of biodiversity. The relationships between the threats to these two protected areas were identified and analyzed in an integrated manner to delimit a network of threats that act in the composition of the analyzed risks. Based on management plans, scientific publications, reports from workshops and interviews with managers and employees, it was possible to make a first approach on the origins of threats and the factors that influence them. After that, the location of internal and external threats and their degrees of influence were plotted in criticality maps, which could be crossed with the support capacity, hazard and value maps, to create forest fire risk maps and, based on them, forest fragmentation maps, revealing the priority sectors for protection and conservation interventions. The possibility of applying the risk assessment methodology proposed in this study to other protected areas in Brazil and Portugal characterizes this work as a support tool on the implementation of public policies related to the protected areas management. Keywords: risk; protected areas; risk assessment; public policy

Ano de Publicação: 2020

CONSERVACIÓN Y EXTRACTIVISMO EN LA COSTA DE CHIAPAS: EL CASO DEL MUNICIPIO DE ACACOYAGUA - Dissertação de Mestrado pela UNICACH

Resumen

Esta investigación tuvo como primer objetivo identificar las diferentes políticas de conservación de la biodiversidad y proyectos extractivos planeados e implementados en la Costa de Chiapas, incluidos en un contexto nacional y global de profundización de las políticas neoliberales. Además, a través del marco teórico desarrollado por Escobar (2010), se examina cómo, a partir de las diferencias económicas, ecológicas y culturales que dan sentido a su forma propia de vida frente al sistema-mundo moderno, las poblaciones campesinas de la Costa de Chiapas, en especial del municipio de Acacoyagua, se relacionan con los distintos regímenes culturales de apropiación de la naturaleza que coexisten en sus territorios y se los disputan. Para tratar estos amplios temas se partió de los referentes teóricos de la ecología política para desarrollar tres conceptos principales: la conservación neoliberal, el extractivismo y los territorios de la diferencia.



Ano de Publicação: 2020

Populações Tradicionais e Reservas Extrativistas: Para quem habita esses territórios protegidos, quais fatores emergem como essenciais ao bem estar e qualidade de vida? - Dissertação de Mestrado pela ENBT - JBRJ

RESUMO

Diversas políticas públicas vêm sendo trabalhadas pelo Estado brasileiro no sentido de promover a qualidade de vida às populações tradicionais que habitam as Reservas Extrativistas (Resex). No entanto, embora tenhamos avançado nas adaptações dessas políticas às realidades e necessidades tão distintas desses grupos, ainda parecemos perpetuar a ditadura das necessidades humanas criando e implementando políticas públicas homogeneizadoras e urbanocêntricas que se baseiam na busca pelo “desenvolvimento”. Como avaliar a pertinência e aprimorar políticas para o atendimento das necessidades das pessoas que vivem nas Resex sem oprimir seus sonhos e aspirações? Quais fatores emergem como essenciais ao bem estar e qualidade de vida para quem habita esses territórios? Esse estudo, teve o objetivo de se aproximar dessas respostas a fim de aprimorar a atuação do ICMBio na implementação de políticas públicas mais adequadas a realidade local e cultura dessas populações. Utilizou dados sobre 59 Resex e 45 mil famílias que participaram do Cadastro e Diagnóstico Socioeconômico realizado pelo ICMBio, entre 2013 e 2016 e, como resultados, apresentou dois produtos. No primeiro, disponibiliza os dados trabalhados em painéis dinâmicos do Power BI, divididos em temas específicos, com gráficos, tabelas e diversas formas de consulta e cruzamentos. No segundo, à luz das propostas do Bem Viver, da ecopsicologia, das teorias da dádiva e do cuidado reflete sobre os motivos que levaram 97% dos entrevistados a responderem gostar de viver nos locais onde vivem. Com base na reflexão sobre o não gostar de viver nesses locais, esse estudo traz uma discussão sobre os desafios rurais e a falta de oportunidades para os jovens como fatores que limitam a qualidade de vida e bem estar dessas populações. As reflexões resultam em conjunto de sugestões para o aprimoramento das políticas públicas nesses territórios, tais como: fortalecimento e garantia do controle social, nas diversas esferas e escalas; promoção do desenvolvimento econômico com base na solidariedade e na autonomia; formação de consciência crítica e política nas Resex a partir do resgate histórico e da valorização cultural; captação das percepções das populações tradicionais sobre qualidade de vida e bem estar por meio de um diagnóstico socioeconômico mais adequado ao contexto de vida nas Resex.

Palavras Chave: Reservas Extrativistas, Populações Tradicionais, qualidade de vida, bem estar, bem viver.


ABSTRACT

Several public policies are being worked on by the Brazilian State in order to promote the quality of life for the traditional populations that inhabit the Extractive Reserves (Resex). However, although we have made progress in adapting these policies to the realities and needs that are so different from these groups, we still seem to perpetuate the dictatorship of human needs by creating and implementing homogenizing and urban-centered public policies that are based on the search for “development”. How to assess the relevance and improve policies to meet the needs of people living in Resex without oppressing their dreams and aspirations? What factors emerge as essential to the well-being and quality of life for those who inhabit these territories? This study aimed to get closer to these responses in order to improve ICMBio's performance in the implementation of public policies that are more appropriate to the local reality and culture of these populations. It used data on 59 resex and 45 thousand families that participated in the Socioeconomic Registration and Diagnosis carried out by ICMBio, between 2013 and 2016 and, as a result, presented two products. In the first, it makes available the data worked in Power BI, divided into specific themes, with graphs, tables and several forms of consultation and crossings. In the second, in the light of the proposals of living well, ecopsychologia, theories of gift and care, I reflect on the reasons that led 97% of the interviewees to respond that they enjoy living in the places where they live. Based on the reflection on the dislike of living in these places, this study discusses rural challenges and the lack of opportunities for young people as factors that limit the quality of life and well-being of these populations. The reflections result in a set of suggestions for the improvement of public policies in these territories, such as: strengthening and guaranteeing social control, in different spheres and scales; promoting economic development based on solidarity and autonomy; formation of critical and political awareness in Resex from the historical rescue and cultural valorization; capturing the perceptions of traditional populations about quality of life and well-being through a socioeconomic diagnosis that is more appropriate to the context of life in the Resex.

Keywords: Extractive Reserves, Traditional Populations, quality of life, wellbeing, living well.


Ano de Publicação: 2020

IMPACTO DO MANEJO FLORESTAL NA CONSERVAÇÃO DAS FLORESTAS E DE ESPÉCIES DA FLORA AMEAÇADAS DE EXTINÇÃO NO ESTADO DE SANTA CATARINA - Dissertação de Mestrado Profissional pela UFSC

RESUMO

A Mata Atlântica vem sendo degradada há mais de 500 anos. A exploração das florestas naturais mediante o manejo florestal sustentável foi prevista pela Lei 4.771/1965, mas a sua implementação na Mata Atlântica em Santa Catarina ocorreu com mais propriedade somente após 1990. Esse fato contribuiu para que florestas fossem suprimidas e submetidas à intensa exploração, ocasionando degradação e redução dos estoques madeireiros e das matas primárias. Na década de 1990, o IBAMA licenciou vários planos de manejo florestal que incluíam a exploração de Araucaria angustifolia (araucária), Ocotea porosa (imbuia) e Dicksonia sellowiana (xaxim), espécies ameaçadas de extinção. Entretanto, as autorizações foram contestadas pela Ação Civil Pública 2000.72.00.009825-0/SC. Neste estudo, avaliamos a sustentabilidade de planos de manejo então licenciados. Foram consultados 49 planos de manejo executados na região de ocorrência da Floresta Ombrófila Mista. Dentre estes, 20 foram analisados detalhadamente visando avaliar a situação das florestas antes do manejo, como o manejo foi realizado, a situação atual das áreas e compreender os impactos causados pela atividade. A análise indicou que parte dos planos protocolados eram incompletos, continham erros e não foram avaliados adequadamente para a emissão das autorizações. A elaboração dos planos foi realizada sem apresentação de informações sobre o crescimento das espécies e os ciclos de corte foram determinados precariamente. As florestas manejadas foram classificadas majoritariamente como primárias (85%), mas parte delas haviam sofrido explorações passadas e se encontravam desequilibradas. Em relação à execução dos planos, verificou-se exploração média de 27,8 m3 /ha de araucária, 22,9 m3 /ha de imbuia e 18,2 m3 /ha de xaxim, o que resultou na colheita média de 6,6 árvores por hectare de araucária,15,6 de imbuia e 83,8 de xaxim. De forma geral, foi autorizada exploração de volumes excessivos de madeira e número elevado de árvores, resultando em grandes impactos às florestas e às espécies ameaçadas. Atualmente, segundo o IBAMA, 62,9% da área total das florestas abrangidas pelos planos se encontra degradada (6 dos 20 planos de manejo analisados) e 95% dos planos se encontram com irregularidades. Os resultados do estudo permitem concluir que o manejo florestal realizado não foi sustentável, que as autorizações foram obtidas somente para cumprir com as determinações legais e que os impactos às espécies ameaçadas foram significativos, contribuindo para a degradação de suas populações naturais. Embora o estudo tenha demonstrado que o manejo realizado nos 20 planos analisados tenha sido inadequado, o manejo dos remanescentes de florestas secundárias, quando corretamente realizado, pode ajudar a preservar o que resta da Mata Atlântica, e deveria ser incentivado. Como complemento dos resultados deste trabalho, são trazidas sugestões visando colocar em prática esta proposta.

Palavras-chave: Desenvolvimento Sustentável. Mata Atlântica. Floresta Ombrófila Mista. Processos administrativos como fonte de dados.


ABSTRACT

The Atlantic Forest has been degraded for more than 500 years. The exploitation of natural forests under sustainable forest management was regulated by Law 4,771/1965, but its implementation in the Atlantic Forest in Santa Catarina occurred with more property only after 1990. This fact contributed to the suppression and overexploitation of the forests, causing degradation and reduction of timber stocks and deforestation of primary forests. Despite the licensing of management plans during the 1990s, their sustainability remains uncertain. During the 1990s, the national environmental agency (IBAMA) licenced several forest managements plans that include the exploitation of Araucaria angustifolia (araucária), Ocotea porosa (imbuia) and Dicksonia sellowiana (xaxim), species threatened with extinction. However, the authorizations were contested by the Public Civil Action 2000.72.00.009825-0/SC. In this study, we evaluated the sustainability of the licensed management plans. We consulted 49 forest management plans executed in the Mixed Rain Forest. Among them, 20 plans were analyzed in detail in order to evaluate the pre-harvesting condition of the forests, how management was carried out, and the current situation of the areas to understand the impacts caused by the activity. The analysis indicated that part of the registered plans was incomplete, presented errors and were inadequately evaluated for the purpose of licensing. The elaboration of the plans was carried out without presenting information about the growth rates of the species and the determination of the cutting cycles was performed precariously. The managed forests were classified mainly as primary (85%), but part of them had undergone past explorations, and were unbalanced. During the execution of the plans, there was an average exploitation of 27.8 m³/ha of araucaria, 22.9 m³/ha of imbuia and 18.2 m³/ha of xaxim, which resulted in an average harvesting of 6.6 trees per hectare of araucaria, 15.6 of imbuia and 83.8 of xaxim. In general, it was licensed the exploitation of excessive timber volumes and number of trees, resulting in major impacts on the forests and the threatened species. Currently, according to IBAMA, 62.9% of the total forest area covered by the plans is now degraded (6 out of the 20 plans evaluated) and 95.0% of the plans remain irregular. From the results of the study we can concluded that the forest management carried out was unsustainable, the authorizations were obtained only to comply with legal requirements and that there was significant impacts on threatened species, contributing to the degradation of their natural populations. Although this study demonstrated that the management carried out in the 20 plans was inadequate, the correct management of the remaining secondary forests can help to preserve the remnants of the Atlantic Forest and should be encouraged. As a complement of the results of this work, suggestions are made to put this proposal into practice. Keywords: Sustainable Development. Atlantic Forest. Mixed Rainforest. Administrative processes as a data source.

Ano de Publicação: 2020

Composição e estrutura de uma floresta primária atingida por incêndio florestal na Amazônia Oriental Composition and structure of primary forest affected by forest fire in Eastern Amazon

Resumo

A dinâmica da composição florística de uma área de floresta primária, atingida por fogo, em 1997, na Amazônia brasileira, foi analisada, comparando-se dados de inventários amostrais, realizados nos anos de 1983, 1987, 1989, 1995, 2008 e 2012, em 12 parcelas permanentes de 0,25 hectares, com dados anteriores (14 anos) e posteriores ao incêndio (15 anos). A área de estudo está localizada em uma floresta ombrófila densa, sem histórico de distúrbios antrópicos, na Floresta Nacional do Tapajós, oeste do estado do Pará. As questões deste estudo são as seguintes: (1) Qual o efeito de um primeiro incêndio na composição de espécies arbóreas de uma floresta primária na Amazônia? (2) Existe diferença, na diversidade de espécies arbóreas, antes e após o fogo? Para responder essas questões, (i) foram descritas, quantificadas e comparadas a composição de espécies arbóreas de antes e depois o fogo, (ii) foram quantificadas e comparadas a riqueza e a diversidade de espécies arbóreas de antes e após o fogo. Após 15 anos da ocorrência do incêndio, a floresta não registrou perdas em riqueza e diversidade de espécies arbóreas, indicando boa resiliência ao distúrbio. As alterações pós-fogo na composição florística de uma floresta primária são definidas, principalmente, pela entrada e saída de espécies localmente raras, e as espécies com maior densidade e área basal são responsáveis pela manutenção da estrutura da floresta, destacando-se dentre elas: Rinorea guianensis Aubl. e Protium apiculatum Swart.

Palavras-chave: Composição florística; Floresta tropical; Resiliência


Abstract

The floristic composition dynamics of a primary forest in the Brazilian Amazon, which was affected by fire in 1997, was analyzed by comparing data from sample inventories carried out in 1983, 1987, 1989, 1995, 2008 and 2012 in 12 plots of 0.25 ha each including therefore previous (14 years) and post-fire (15 years) periods. The study area is located in an area of dense ombrophilous forest, unaffected by anthropogenic disturbances, in the Tapajós National Forest, Pará state, Brazil. The questions of this study are the following: (1) What is the effect of a fire on the tree species composition of a mature forest in the Amazon? (2) Is there a difference in the diversity of tree species between before and after fire? To answer these questions, (i) the pre-and post-fire tree species composition were described, quantified and compared, and (ii) the richness and diversity of pre-and post-fire tree species were quantified and compared. After 15 years of fire, the forest had no loss in richness and diversity of tree species, indicating good resilience to the fire disturbance. The post-fire changes in the floristic composition of this primary forest are mainly driven by the gain and loss of locally rare species. Furthermore, some tree species with higher density and basal area were responsible for the maintenance of the forest structure, especially Rinorea guianensis Aubl. and Protium apiculatum Swart.

Keywords: Floristic composition; Tropical forest; Resilience

Ano de Publicação: 2020

A GOVERNANÇA NO ÂMBITO DO CONSELHO GESTOR DA RESEX CHICO MENDES, ESTADO DO ACRE - Dissertação de mestrado pelo INPA

Sinopse da dissertação:

A governança do conselho gestor da Resex Chico Mendes, Estado do Acre, é
analisada a partir de três formas: 1. Atas de 12 reuniões (e 2 reuniões observadas –
observação participante), parâmetros de metodologia de apoio à governança (SISUC) e
parâmetros de qualidade de governança, de Lockwood.
Palavras-chave: governança, tomada de decisão, conselho deliberativo, Resex Chico
Mendes, Amazônia.

RESUMO
Partindo do pressuposto que o Conselho Deliberativo da Resex Chico Mendes está entre os Conselhos com dificuldade em chegar à “boa governança”, sobretudo no processo de tomada de decisão e operacionalização de decisões, este estudo teve por objetivo analisar o processo de governança local no âmbito do Conselho da Resex Chico Mendes. Para tanto, primeiro foi feito um diagnóstico de como é, e como deve ser a estrutura de tomada de decisão local da Resex Chico Mendes; bem como para verificar com base em quê as decisões são tomadas e que atores influenciam essas decisões. Foi feita análise qualitativa das leis e regulamentos (para verificar como a governança do conselho funciona “no papel”), bem como análises qualitativas e quantitativas das atas de registro de reuniões e observação natural, além de áudios em duas reuniões do Conselho (para verificar como funciona na prática). Foi feita também avaliação do processo de tomada de decisão neste Conselho, adotando parâmetros de uma metodologia de apoio à governança (i.e. Sistema de Indicadores Socioambientais para Unidades de Conservação - SISUC). Por fim, realizou-se a análise da qualidade da governança local no âmbito do Conselho Gestor Deliberativo da Resex Chico Mendes, utilizando os parâmetros de boa governança de Lockwood (2010). Constatou-se que a estrutura de tomada de decisão do Conselho da Resex Chico Mendes necessita ser atualizada, pesem a discussão interna sobre o assunto e a estrutura já definida no papel Um dos principais problemas relacionados à operacionalização das decisões é a falta de sistematização e de continuidade de atividades do Conselho. Apesar de não existir gestão da informação adequada para tomar decisões de forma mais estruturada para todas as questões discutidas no Conselho, percebeu-se que o mesmo iniciou uma nova etapa de funcionamento, promovida pela organização/sistematização e início do controle e monitoramento de informações por meio de seu Plano de Ação. As reuniões nas quais foi construído o Plano de Ação do Conselho e realizado o seu 1º monitoramento (ambos via SISUC), juntas, obtiveram mais de 50% dos encaminhamentos/decisões mais estruturantes. Estruturar melhor as informações contribuiu para elevar o cumprimento de todos os princípios de boa governança de áreas protegidas e, consequentemente, para a qualidade da governança do Conselho Gestor Deliberativo da Resex Chico Mendes.

Palavras-chave: governança, tomada de decisão, conselho deliberativo, Resex Chico Mendes, Amazônia.

The Governance in the Scope of the Board of Directors of Resex Chico Mendes, State of Acre

ABSTRACT
Based on the assumption that the Resex Chico Mendes Deliberative Council is among the Councils with difficulties in achieving "good governance", especially in the process of decision making and decision making, this study aimed to analyze the process of local governance in the scope of the Board of Resex Chico Mendes. To do so, it was first made a diagnosis of how and what should be the local decision-making structure of Resex Chico Mendes, as well as verify, based on what decisions are made and which actors influence those decisions. Qualitative analysis of laws and regulations (to check how board governance works "on paper"), as well as qualitative and quantitative reviews of minutes of meetings and natural observation, as well as audits at two Council meetings (to verify how it works in practice). An evaluation of the decision-making process was also carried out in this Council, adopting parameters of a methodology to support governance (i.e. System of Socio-Environmental Indicators for Conservation Units - SISUC). Finally, a review of the quality of local governance was carried out within the Resex Chico Mendes Management Council using the parameters of good governance of Lockwood (2010). It was found that although there is discussion in the Board of Resex Chico Mendes about its decision-making structure and what on paper is defined as the same should be, the decision-making structure needs to be updated. One of the main problems related to the operationalization of decisions is the lack of systematization and continuity of activities of the Council. Although there is no adequate information management to make decisions in a more structured way for all the issues discussed in the Council, it has been noticed that it has started a new stage of operation, promoted by the organization / systematization and beginning of the control and monitoring of information through of its Plan of Action. The meetings in which the Council's Action Plan was built and in which its first monitoring was carried out (both via SISUC) together obtained more than 50% of the most structuring referrals / decisions. Better structure of information contributed to better compliance with all the principles of good governance of protected areas and, consequently, to the quality of governance of the Resex Chico Mendes Management Council.

Key words: governance, decision making, deliberative council, Resex Chico Mendes, Amazon.


Ano de Publicação: 2018

FLORESTAS DO BRASIL em resumo 2019

PREFÁCIO

O Serviço Florestal Brasileiro (SFB) tem a missão de promover o conhecimento, o uso sustentável e a ampliação da cobertura florestal, visando tornar a agenda florestal estratégica para a economia e o desenvolvimento do país. Desde sua criação, em 2006, o SFB tem trabalhado na reunião de dados e informações atualizadas, disponibilizadas por diversas fontes nacionais e produzidas pelos principais atores envolvidos na gestão, uso, conservação e recuperação de nossas florestas, em um formato conciso para tornar prática a consulta desses levantamentos.

Diante dos desafios enfrentados pela área florestal, torna-se imprescindível a disponibilização de dados confiáveis, relevantes e atualizados, que possam auxiliar na tomada de decisão e na boa gestão dos recursos florestais. Neste espírito, lançamos a nova edição da publicação Florestas do Brasil em Resumo – Edição 2019, que reúne os dados referentes aos anos de 2013 a 2018.

Esta publicação atende o público interessado nessa temática e as informações aqui contidas revelam a dimensão e importância das florestas naturais e plantadas. Nesse sentido, oferecemos à sociedade um conjunto das informações florestais, para enfrentar os desafios e as oportunidades para a conservação e produção sustentável de bens e serviços florestais.

Valdir Colatto

Diretor Geral do Serviço Florestal Brasileiro

Ano de Publicação: 2019

Bioeconomia da Floresta A Conjuntura da Produção Florestal Não Madeireira no Brasil

Apresentação

O conceito de bioeconomia vem sendo cada vez mais utilizado em todo o mundo. O Bioeconomy Council define o termo como sendo a produção baseada no conhecimento e uso de recursos naturais para fornecer produtos, processos e serviços dentro de um sistema de produção sustentável. Esse conceito envolve o manejo das florestas nativas, composto pela extração florestal madeireira e não madeireira, com objetivo de gerar produtos florestais de maneira sustentável.

A produção florestal não madeireira, oriunda de florestas nativas, destaca-se no âmbito do conceito mundial de bioeconomia, especialmente, quanto à importância para as comunidades locais que fazem o manejo dos produtos não madeireiros da floresta. Essa produção é a base da economia de uma série de comunidades agroextrativistas e contribui para as economias regionais que, por sua vez, contribui para as economias nacionais e globais.

No Brasil, país que apresenta a maior diversidade do mundo e a segunda maior área de florestas, a produção florestal não madeireira representa cerca de 35% do montante do extrativismo florestal. Nos últimos 10 anos, a produção florestal não madeireira vem aumentando a cada ano e os ingressos totalizam mais de 10 bilhões de reais, distribuídos nas diversas regiões brasileiras.

Essa publicação trata da conjuntura da produção florestal não madeireira oriunda das florestas nativas do Brasil. Apresenta a distribuição territorial dos diversos tipos de produtos: alimentícios, aromáticos, medicinais, corantes, borrachas, ceras, fibras, oleaginosos e tanantes. Apresenta, ainda, uma análise da quantidade produzida e valores arrecadados pelos principais produtos não madeireiros comercializados ao longo dos últimos 20 anos. Por fim, aborda as políticas públicas promotoras da produção florestal não madeireira no Brasil.

Valdir Colatto

Diretor-geral do Serviço Florestal Brasileiro

Ano de Publicação: 2019