Biblioteca


        
 
Título
Categoria Tipo de publicação
Descrição Autores


Análise preliminar de risco aplicada ao Plano de Fiscalização Simplificado - TCC do PGR5

CONCLUSÕES

O estudo e desenvolvimento da proposta conceitual de análise de risco de estratégias de proteção pode expor o potencial e a importância gerencial de adotar a ferramenta de Gestão de Risco no meio corporativo. As técnicas estudadas são amplamente utilizadas, principalmente para processos de contratação, segurança do trabalho, avaliação de projetos e qualquer segmento ou atividade que busque algum objetivo. Apesar de escopo do trabalho ficar restrito a análise preliminar de risco, com foco na identificação e classificação inicial de riscos associados, ficou claro a contribuição de adotar tanto este procedimento e ferramentas quanto a Gestão do Risco para as mais diversas atividadeinerentes a atribuição do instituto, o que proporcionará ganhos significativos na busca da excelência na gestão por resultados, e contribuindo para a gestão da mudança. Portanto, sugere-se incluir a Gestão de Riscos no planejamento estratégico e proceder-se à análise de riscos nos processos, ou áreas em que essa organização executa. É importante sempre integrar a gestão de riscos na governança, na estratégia, no planejamento ou na gestão. Especificamente quanto ao instrumento de gestão Plano do Fiscalização Simplificado, não restou dúvidas quanto a incorporação da ferramenta no processo de elaboração, devendo, ainda, seguir mais alguns passos para sua concreta utilização final. Ainda será necessário o teste real em PFIS elaborados e o registro das reações, resistências, ganhos e aprimoramentos da ferramenta. Como sugestão final da presente proposta, destaco a possibilidade futura de estudos das demais etapas da Gestão de Riscos, ampliando seu escopo para outras atividades de competência do instituto. A análise de risco pode servir como uma importante ferramenta de avaliação de estratégias, agindo de forma complementar a outras ferramentas estratégicas para minimizar incertezas e ampliar a conquista de resultados. Ainda assim, o presente estudo pode demonstrar que as atividades de fiscalização e proteção das unidades de conservação federais devem adotar o processo de gestão de risco como passo fundamental na redução de incertezas, ampliação de eficiência, eficácia e efetividade de ações, redução de recursos despendidos e a excelência na efetiva implementação do modelo de gestão para resultados na temática.

Ano de Publicação: 2018

MONITORAMENTO DO USO E COBERTURA DA TERRA NO INTERIOR E ENTORNO DO PARQUE NACIONAL DA SERRA DO DIVISOR/AC ENTRE 1988 E 2018 - Dissertação de Mestrado pelo INPA

RESUMO

As Áreas Protegidas possuem inúmeras finalidades, como a preservação da biodiversidade, o desenvolvimento de pesquisas científicas e o uso sustentável de seus recursos naturais. O Parque Nacional da Serra do Divisor (PNSD), criado em 1989 com 837 mil hectares e localizado na Amazônia ocidental brasileira, possui cerca de 407 famílias em seu interior que utilizam os recursos naturais e desenvolvem atividades produtivas como a agricultura e pecuária. Este trabalho teve como objetivo mapear e analisar a dinâmica do uso e cobertura da terra do PNSD e em seu entorno entre 1988 e 2018, para auxiliar no gerenciamento atual e futuro desta Unidade de Conservação (UC). Utilizaram-se imagens Landsat para a realização da classificação supervisionada com o algoritmo MaxVer, considerando as classes de uso e cobertura da terra: desflorestamento, mosaico de usos, vegetação primária, vegetação secundária, pastagem, corpo d´água, outros e área não observada. A acurácia da classificação foi definida pelo índice Kappa (0,893), baseada na verdade de campo com uso de imagens de Aeronave Remotamente Pilotada. Em 30 anos, a pastagem foi a classe que obteve o maior ganho absoluto (1.986 ha no interior e 7.661 ha no entorno). As áreas de vegetação secundária ampliaram-se na área de estudo, o que evidencia sua importância para a restauração florestal em um sistema agrícola de corte e queima. No intervalo de 2003 e 2018, a conversão da floresta para pastagem e mosaico de usos no entorno do PNSD, foram muito mais aceleradas do que no primeiro período (1988 a 2003) de avaliação. No território do povo indígena Nawa, localizado dentro do PNSD, durante o período analisado, houve um crescimento de 481% da área de pastagem, maior que no restante do PNSD (126%), mas inferior ao entorno do PNSD (2.110%), o que exige uma gestão diferenciada em cada uma destas regiões. Observou-se que a redução da floresta primária foi muito inferior no interior (0,85 % ou 7.092 ha) do que no entorno (9,5% ou 17.705 ha) do PNSD nos 30 anos avaliados, resultando em menor conversão de florestas para pastagem ou para mosaico de usos no interior do PNSD. Mesmo assim, o PNSD ainda conserva 98,5% de floresta primária e 48% do total que foi desmatado até 2018 são formados por vegetação secundária. Os cenários futuros de uso e cobertura da terra para o interior do PNSD indicam um futuro preocupante para a questão da conservação de sua biodiversidade, mas muito pior esta situação para o seu entorno imediato. Os resultados demonstram a influência da estabilidade populacional, dificuldade de acesso, restrições de uso impostas pela legislação ambiental no interior da UC, porém contrabalanceado pelo usufruto do PNSD realizado por moradores do entorno. É um desafio a elaboração de políticas públicas ou soluções para conter o desmatamento e a expansão agropecuária, visto a complexidade das razões, causas e fatores relacionados ao desflorestamento. As informações geradas são imprescindíveis à gestão do PNSD, para se fiscalizar as irregularidades e iniciar as proposições de acordos de gestão com os moradores que ainda residem em seu interior. 

Palavras chave: Amazônia. Áreas protegidas. Uso da terra. Unidade de ConservaçãoPastagem.


ABSTRACT

Protected Areas have several purposes, such as preserving biodiversity, scientific research and the sustainable use of their natural resources. The Serra do Divisor National Park (PNSD), created in 1989 with 837 thousand hectares and located in the western Brazilian Amazon, has about 407 families in its interior that use natural resources and develop productive activities such as agriculture and livestock. The research presented here maps and analyzes the dynamics of land use and coverage of the PNSD and its environment between 1988 and 2018, in order to assist in the current and future management of this Conservation Unit (CU). Landsat images were used to perform supervised classification with the MaxVer algorithm, considering land use and land cover classes: deforestation, land use mosaic, primary vegetation, secondary vegetation, pasture, body of water, others and unobserved area. The accuracy of the classification was defined by the Kappa index (0.893), based on field truth with use of Remotely Piloted Aircraft images. In 30 years, the pasture was the class that obtained the greatest absolute gain (1,986 ha in the interior and 7,661 ha in the surroundings). The areas of secondary vegetation expanded in the study area, which highlights their importance for forest restoration in an agricultural system of cut and burn. Between 2003 and 2018, conversion of forest to pasture and mosaic of uses, in the PNSD buffer area was much faster than in the first evaluation period (1988 to 2003). In the territory of the Nawa indigenous people, located within the PNSD, during the period analyzed, pasture area grew by 481%, higher than in the rest of the PNSD (126%), but lower than the surroundings of the PNSD (2,110%), which requires differentiated management approaches in each of these regions. It was observed that the reduction of the primary forest was much lower in the interior (0.85% or 7,092 ha) than in the surrounding (9.5% or 17,705 ha) of the PNSD in the 30 years evaluated, resulting in lower conversion of forests to pasture or mosaic of uses within the PNSD. The PNSD still conserves 98.5% of primary forests and 48% of the total that was deforested until 2018 are now covered by secondary vegetation. Future scenarios of land use and land cover within the PNSD indicate a worrying future for the conservation of its biodiversity, but situation is even worse for the buffer zone. The results demonstrate the influence of population stability, difficulty of access, restrictions of use imposed by the environmental legislation in the interior of the CU, but counterbalanced by the usufruct of the PNSD carried out by residents of the surrounding area. It is a challenge to formulate public policies and solutions to contain deforestation and agricultural expansion, given the complexity of the causes and factors related to deforestation. The information generated is essential to the management of the PNSD to control irregularities and to initiate proposals for management agreements with the residents who still reside in the interior.

Key words: Amazon. Protected areas. Land use. Conservation Unit. Pasture. 

Ano de Publicação: 2019

UNIDADES DE CONSERVAÇÃO FEDERAIS: RELEVÂNCIA E REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA - Artigo de Especialização pela UNINTER

RESUMO

Este artigo aborda sobre regularização fundiária em unidades de conservação federais do Brasil, ponderando sobre a importância das UCs e a necessidade do Estado agir, promovendo, quando necessário, desapropriações de imóveis particulares localizados no interior das unidades, para que ocorra a regularização fundiária das UCs, contribuindo, dessa forma, para que seus objetivos de criação sejam atendidos. Discorre sobre a lei n° 9.985, de 18 de julho de 2000 que estabelece a criação de unidades de conservação distribuídas por todo o Brasil, comentando sobre as categorias de unidades existentes e a respeito da exigência de posse e domínio público das terras que integra determinadas categorias de UCs, como requisito para cumprir os propósitos estabelecidos para a área. Comenta sobre os procedimentos que o ICMBio adota para conseguir a aquisição de imóveis privados situados no interior de unidades de conservação federais, ensejando sua regularização fundiária. Apresenta a necessidade de articulação do ICMBio com outros órgãos públicos e cartórios que são responsáveis por informações necessárias à instrução dos processos de desapropriação. Expõe a norma seguida pelo órgão ambiental, que regula os procedimentos de desapropriação e indenização de imóveis que se encontram em unidades federais que exigem o domínio público. O artigo comenta, ainda, que não é coerente aquiescer com uma proposta de extinção de unidade de conservação que tem como justificativa a ausência da regularização fundiária da unidade dentro dos 5 anos posteriores a sua criação, pois a importância das UCs, como forma de garantir especial proteção a espaços que possuem atributos ecológicos relevantes para a qualidade e, até mesmo, manutenção da vida das gerações atual e futura, é imensurável. Por fim, comenta sobre o direito difuso ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, e a respeito do princípio da reserva de lei aplicado aos casos de supressão ou alteração das unidades de conservação. Para elaborar este artigo, foi realizada vasta pesquisa bibliográfica.

Palavras–chave: Regularização fundiária. Unidade de conservação. Desapropriação.

Ano de Publicação: 2019

How do the wets burn? Fire behavior and intensity in wet grasslands in the Brazilian savanna

Abstract 

Although wetlands are commonly managed with fire by local communities and managers in tropical savannas, little is known about fire behavior in these ecosystems. We measured fire intensity and temperature in 13 experimental early (June) and late (September) dry season fires in wet grasslands in the Brazilian savanna, the ‘‘Cerrado’’. We aimed to characterize ‘‘Cerrado’’ wet grasslands fire behavior and to understand how fire season (early vs. late dry season) and time since last fire affect fire behavior and intensity. We compared fire intensities in biennially burnt areas to areas unburned for 5 years. Experimental fires consumed 60–98 % of the fuel and were of low intensity (240–1083 kW m-1) compared to those in dry savanna grassland with similar fuel loads (0.4–1.3 kg m-2). Fires in areas with contrasting times since last fire (2 and 5 years) had similar intensities. Late dry season fires tended to be more intense than early dry season fires, but the difference was not significant. The low fire intensities are probably due to high soil water availability year around, a characteristic of wetlands. Maximum temperatures were low (149–442 C, mostly at 50 cm in height) compared to fires in dry savanna ecosystems. Our results can directly contribute to plan and implementation of fire management programs in the ‘‘Cerrado’’, where it is mostly still not carried out.

Keywords ‘‘Campos úmidos’’ , ‘‘Cerrado’’,  Eriocaulaceae , Fire management, Fire season ,  Fire temperatures ,  Protected areas

Ano de Publicação: 2017

Using Oak Characteristics to Guide Fire Regime Restoration in Mexican Pine-Oak and Oak Forests

ABSTRACT

Pine-oak forests cover 14.2 million hectares in Mexico, a country that has the richest pine and oak diversity in the world. These diverse forests are a source of goods and services for rural and urban society, but they are being degraded and deforested. A cause of degradation is the alteration of the fire regime caused by fire exclusion or excessive burning. Little information is available on how to restore ecologically appropriate fire regimes in Mexican pine-oak ecosystems. Less is known about the fire ecology of the oak species. To determine which of these pine-oak and oak forests are firemaintained and which are sensitive to fires, and to provide insight into the restoration of appropriate fire regimes, this paper categorizes oak species according to the following characteristics: climate and type of vegetation, environment and succession, fire regime, growth form, vegetative regeneration, regeneration niche, acorn size, foliage type, bark thickness, subgenus, and understory. Frequent low-intensity surface fires are recommended for the restoration and maintenance of many of these forests and to reduce the ecological, economic, and firefighting impacts that result from large-magnitude wildfires, although it is recognized that for some species of pine and oak, periodic high-intensity fires are required. Because the source of more than 40% of the wildfires in Mexico is agricultural and grazing activities, it is essential to consider the needs of rural communities who use fire for their livelihood, and how burning might help restore and maintain these ecosystems.

RESUMEN

Los bosques de pino-encino cubren 14.2 millones de hectáreas en México, país que cuenta con la mayor diversidad de pinos y encinos en el planeta. Estos bosques son fuente de bienes y servicios para la sociedad rural y urbana, pero están siendo degradados y deforestados. Una fuente de degradación es la alteración de los regímenes de fuego ocasionada por la exclusión del fuego o por incendios excesivos. Existe poca información relativa a la restauración de regímenes de fuego ecológicamente adecuados en los ecosistemas de pino-encino mexicanos. Hay todavía menos información sobre la ecología del fuego en encinares. Para determinar cuáles de esos bosques son mantenidos por los incendios, cuáles son sensibles y proveer información para la restauración de regímenes de fuego adecuados, este trabajo categoriza las especies de encinos acorde con las siguientes características: clima y tipo de vegetación, ambiente y sucesión, régimen de fuego, forma de crecimiento, regeneración vegetativa, nicho de regeneración, tamaño de la bellota, tipo de follaje, grosor de corteza, subgénero y sotobosque. El fuego frecuente, de baja intensidad, es recomendado para la restauración y mantenimiento de muchos de estos bosques y para reducir los impactos ecológicos, económicos y de combate que resultan de incendios de gran magnitud, aunque se reconoce que para algunas especies de pino y encino se necesita fuego periódico de alta intensidad. Debido a que la fuente de más de 40 por ciento de los incendios en México son las actividades agropecuarias, es esencial considerar la necesidad de la gente en las comunidades rurales, quienes utilizan el fuego en sus sistemas de producción, y cómo el uso del fuego puede ayudar a restaurar y a mantener estos ecosistemas.

Keywords: fire ecology, Pinus, prescribed fire, Quercus, restoration ecology

Palabras clave: ecología del fuego, Pinus, quema prescrita, Quercus, ecología de la restauración

Ano de Publicação: 2010

The interaction of fire and mankind: Introduction

Fire has been an important part of the Earth system for over 350 Myr. Humans evolved in this fieryworld and are the only animals to have used and controlled fire. The interaction of mankind with fire is a complex one, with both positive and negative aspects. Humans have long used fire for heating, cooking, landscape management and agriculture, as well as for pyrotechnologies and in industrial processes over more recent centuries. Many landscapes need fire but population expansion into wildland areas creates a tension between different interest groups. Extinguishing wildfires may not always be the correct solution. A combination of factors, including the problem of invasive plants, landscape change, climate change, population growth, human health, economic, social and cultural attitudes that may be transnational make a reevaluation of fire and mankind necessary. The Royal Society meeting on Fire and mankind was held to address these issues and the results of these deliberations are published in this volume. This article is part of the themed issue ‘The interaction of fire and mankind’.

Ano de Publicação: 2016

The early/late fire dichotomy: Time for a reassessment of Aubre´ ville’s savanna fire experiments

Abstract

A fundamental principal of savanna fire ecology is that the fire regime determines vegetation cover, especially as it pertains to trees. A corollary is that late fires are more damaging to trees than early fires. Much evidence in support of this principle has been derived from a series of long-term burning experiments based on the pioneering work of Andre´ Aubre´ville. Eighty years ago, Aubre´ville devised an experiment to study the impacts of fire on savanna trees in Africa. The design conventions of this study remain highly influential. It is now clear, however, that the dates chosen by Aubre´ville and his followers do not reflect the burning practices of West African people. Dates that were chosen for ‘‘early’’ and ‘‘late’’ are not representative of actual fire timing; they represent extremes. This study has four goals: (i) to critically review the results of the burning experiments; (ii) to examine them in the context of results from recent savanna fire studies; (iii) to evaluate their limitations based on data for actual burning practices and fires fromWest Africa; and (iv) to critically evaluate the use of the early/late terminology in contemporary fire research.We find the majority ofWest African fires occur during the ‘‘middle’’ of the fire season. Our field studies find that fire temperature and burn completeness are highest in the middle-season. We conclude that the early/late fire dichotomy is not sufficient for understanding the impacts of anthropogenic fires in the region and we make suggestions for rethinking its use more broadly.

Keywords: Savanna, fire, burning experiments, Africa, fire timing, critical physical geography

Ano de Publicação: 2017

MANEJO DO FOGO EM VEREDAS: NOVAS PERSPECTIVAS A PARTIR DOS SISTEMAS AGRÍCOLAS TRADICIONAIS NO JALAPÃO1

Introdução
O fogo é responsável, há milhões de anos, por moldar ecossistemas savanicos (PAUSAS & KEELEY 2009, SIMON et al. 2009, BOND 2005). No Cerrado, além do fogo de origem natural, há diversas formas tradicionais do uso do fogo, tanto para fins de manejo da vegetação natural como para fins produtivos (MISTRY, 1998; MISTRY et al., 2005; SCHMIDT et al 2007; SCHMIDT et al 2011; FALLEIRO, 2011; MELO e SAITO, 2011). As práticas tradicionais de uso do fogo têm papel central na manutenção da heterogeneidade espacial e de importantes processos ecológicos, como demonstrado para savanas na África (Brockett et al., 2001; Laris, 2002) e na Austrália (RUSSELL-SMITH et al., 1997; BIRD et al., 2008). Atualmente, a política do ‘Fogo Zero’ prevalece em Unidades de Conservação (UC) no Cerrado (RAMOS-NETO e PIVELLO 2000). No entanto, esta estratégia de tentar evitar, combater e extinguir todo e qualquer fogo é contraditória à história evolutiva dos ecossistemas do Cerrado. Além disto, a proibição de uso do fogo como ferramenta produtiva e de manejo da paisagem gera conflitos entre a gestão das UC e comunidades locais. Nesse contexto, pesquisas científicas podem influenciar os modelos de gestão de áreas protegidas em ecossistemas savânicos, auxiliando o reconhecimento dos usos do fogo como ferramenta de manejo, por exemplo, utilização estratégica do fogo na contenção de propagação de incêndios e manutenção da paisagem (MYERS, 2006).

Ano de Publicação: 2016

Implementação do Programa Piloto de Manejo Integrado do Fogo em três Unidades de Conservação do Cerrado

RESUMO – Pela primeira vez no Brasil, queimadas prescritas de baixa intensidade no começo da estação seca foram implementadas em Unidades de Conservação (UC) do Cerrado como estratégia de manejo. Os objetivos destas queimadas são proteger áreas de vegetação sensíveis ao fogo, como mata ciliar; fragmentar e reduzir o combustível criando mosaicos de vegetação com diferentes estágios de regeneração pós-fogo; e mudar o atual regime do fogo, caracterizado pela ocorrência de grandes incêndios ao final da estação seca (agosto-outubro). Essas queimas prescritas fazem parte de um Programa Piloto de Manejo Integrado de Fogo (MIF) que foi implementado em 2014 em três UC do Cerrado: o Parque Nacional da Chapada das Mesas (PNCM), Parque Estadual do Jalapão (PEJ) e Estação Ecológica Serra Geral do Tocantins (EESGT). Durante a implementação do programa, foram acompanhadas e realizadas medições de parâmetros ecológicos que são apresentadas neste artigo. Adicionalmente, descrevemos o desenho experimental que inclui o estabelecimento de parcelas permanentes para o acompanhamento de longo prazo dos efeitos das queimas precoces prescritas em comparação com áreas queimadas no final da estação seca (simulação de incêndios) e áreas não queimadas, estabelecidas nestas três UC em 2015. Resultados em 2014 indicam que as queimas prescritas foram de baixa intensidade devido à época e a hora de início das queimas, com
baixa velocidade de propagação e consumo de combustível que variou entre 46 e 84%. A partir desta experiência, apresentamos questões de manejo e pesquisa que devem ser consideradas para o planejamento e implementação de MIF em UCs como as razões de uso do fogo e percepções das comunidades locais sobre os efeitos dos diferentes tipos de fogo.
Palavras-chave: Intensidade de queima; parcelas permanentes; monitoramento da vegetação. ABSTRACT – For the first time in Brazil, low intensity prescribed fires at the beginning of the dry season were implemented in Cerrado protected areas as a management strategy. The objectives of these burns are to protect fire-sensitive vegetation such as riparian forests; to reduce and fragment fuel loads creating vegetation mosaics with different stages of post-fire regeneration; and to change the current fire regime, characterized by large wildfires during late dry season (August-October). These prescribed burns are part of an Integrated Fire Management (IFM) Pilot Program, which was implemented in 2014 in three protected areas of Cerrado: Chapada das Mesas National Park (CMNP), the Jalapão State Park (JSP) and the Serra Geral do Tocantins Ecological Station (SGTES). During the program implementation, several ecological parameters were measured and are reported in this article. In addition, we describe the experimental design for establishing permanent plots for long-term monitoring of the effects of early dry season prescribed burning in comparison to late burning and unburned areas, which we established in the three protected areas in 2015. Results from 2014 show that prescribed burns were of low intensity due to the season and the start
time of burning with low fire line spread rates and fuel consumption ranging between 46 and 84%. From this IFM programs are presented including the reasons for the use of fire and the perceptions of local communities about the effects of the different types of fire. Keywords: fire intensity; permanent plots; vegetation monitoring.

RESUMEN – Por primera vez en Brasil, quemas prescritas de baja intensidad durante el comienzo de la estación seca fueron implementadas en áreas protegidas del Cerrado como estrategia de manejo. Los objetivos de estas quemas son proteger áreas sensibles al fuego; como la vegetación de ribera; fragmentar y reducir el combustible creando mosaicos de vegetación con diferentes estadios de regeneración post-fuego; y mudar el actual régimen del fuego, caracterizado por grandes incendios en el final de la estación seca (agosto-octubre). Estas quemas prescritas forman parte de un Programa Piloto de Manejo Integrado del Fuego (MIF) que fue implementado en 2014 en tres áreas protegidas del Cerrado: el Parque Nacional da
Chapada das Mesas (PNCM), el Parque Estadual do Jalapão (PEJ) y la Estación Ecológica Serra Geral do Tocantins (EESGT). Durante la ejecución del programa se acompañaron y se midieron diversos parámetros ecológicos que se presentan en este artículo. Además, se describe el diseño experimental que incluye el establecimiento de parcelas permanentes para el monitoreo a largo plazo de los efectos de las quemas prescritas tempranas en comparación con áreas quemadas incendiadas y áreas sin quemar establecidas en las tres áreas protegidas en 2015. Resultados de 2014 indican que las quemas fueron de baja intensidad debido a la época y hora de inicio, con una velocidad de propagación baja y un consumo de combustible que
osciló entre el 46 y 84%. A partir de esta experiencia, se presentan cuestiones de manejo y de investigación que deben ser consideradas para la planificación y ejecución de otros programas de MIF en áreas protegidas como las razones del uso del fuego y las percepciones de las comunidades locales sobre los efectos de los diferentes tipos de fuego.
Palabras clave: Intensidad y comportamiento del fuego; parcelas permanentes; monitoreo de la vegetación.

Ano de Publicação: 2016

CANADIAN WILDLAND FIRE STRATEGY A 10-year Review and Renewed Call to Action

Prepared on behalf of the Wildland Fire Management Working Group established under the Canadian Council of Forest Ministers

INTRODUCTION
Over the past 10 years, Canada has witnessed a serious and sustained increase in extreme wildland fire behaviour and wildland-urban interface (WUI) events resulting in threats to life, property and natural resource values being amplified. Impacts to people and communities across the country are increasing. While Canada is internationally renowned for its wildland fire response capabilities, Canadian jurisdictions are reaching the limits of what existing suppression resources can achieve. Our success with suppression should not be understated, but managing wildland fire in the face of growing challenges will continue to put increasing pressure on suppression capacity. Effort needs to be made toward increasing this capacity. An equivalent focus and commitment must also be made toward the shared responsibility for, and marked progress on, prevention, mitigation and preparedness. In 2005, the Canadian Wildland Fire Strategy (CWFS) predicted a number of the challenges we are now experiencing such as more extreme fire behaviour, increasing wildland fire impacts, increasing effects of climate change and eroding response capacity. While all jurisdictions have made progress on various aspects of the CWFS, advancement has been slower and more costly than originally envisioned. Substantial resourcing (see Table 1) has gone into initiatives that support its strategic objectives; however, actions and investments have been somewhat ad hoc and not always strategically coordinated. A lack of standardized reporting makes it difficult to attribute actions and progress. Circumstances such as climate change, aging infrastructure, increasing industrial development and an expanding WUI have increased implementation costs. As a result, strategic, coordinated and targeted efforts are required or Canada will find itself in a situation where challenges exceed capacity.

Ano de Publicação: 2016