Biblioteca


        
 
Título
Categoria Tipo de publicação
Descrição Autores


A IMPORTÂNCIA DA ATIVIDADE PESQUEIRA ARTESANAL PARA A POPULAÇÃO DOS MUNICÍPIOS QUE ABRIGAM A RESEX ACAÚ-GOIANA NOS ESTADOS DE PERNAMBUCO E PARAÍBA (Nota Técnica)

Esta nota técnica busca contribuir para uma melhor compreensão da importância da atividade pesqueira artesanal na geração de emprego e na produção de alimentos para a população do entorno da Reserva Extrativista Acaú-Goiana (Resex Acaú-Goiana), situada nos municípios de Goiana, em Pernambuco, e de Pitimbu e Caaporã, na Paraíba, na área estuarina do Rio Goiana, no nordeste do Brasil.

Esses três municípios abrangem, conjuntamente, uma área de 742 km2, envolvendo uma população de cerca de 113 mil habitantes, sendo o município de Goiana o de maior representatividade em termos de área e de população (TABELA 1)

Os dados a seguir apresentados provêm principalmente do levantamento domiciliar realizado no âmbito da pesquisa “Dinâmicas sociais e ecológicas em ambientes costeiros: interações e intervenções”, que está em fase de conclusão pela Diretoria de Pesquisas Sociais da Fundação Joaquim Nabuco. O levantamento foi realizado no período de dezembro de 2008 a fevereiro de 2009, e abrangeu, em sua íntegra, 1495 domicílios dos municípios de Igarassu, Itapissuma, Ilha de Itamaracá e Goiana, em Pernambuco; e de Caaporã e Pitimbu, na Paraíba.

A importância da atividade pesqueira artesanal para a população dos municípios que abrigam a Resex ACAÚ-Goiana na divisa dos estados

de Pernambuco e Paraíba. 

Na presente análise, serão considerados apenas os dados das amostras referentes aos municípios que abrigam a Resex Acaú-Goiana, como segue: Goiana, com uma amostra de 595 domicílios; e Caaporã e Pitimbu, cada um com uma amostra de 270 domicílios, totalizando assim 1.135 domicílios amostrados nos três municípios. Dessa forma, os dados aqui considerados se referem ao contexto maior dos municípios envolvidos, e não ao âmbito exclusivo das comunidades mais diretamente vinculadas à Resex.

Nos três municípios objeto desta análise, a pesca artesanal desponta como uma das principais formas de uso dos recursos naturais pela população local. Cerca de 83,8% dos entrevistados que prestaram informações sobre os domicílios avaliaram a atividade como importante para a comunidade (TABELA 2). Importância esta que é confirmada pela constatação de que em 35% dos domicílios da amostra reside pelo menos um pescador ou pescadora (TABELA 3), fato que se relaciona à função da atividade pesqueira na geração de emprego e na produção de alimentos.

TABELA 2

OPINIÃO DO ENTREVISTADO SOBRE A IMPORTÂNCIA DA PESCA, CATAÇÃO E/OU A MARISCAGEM PARA A POPULAÇÃO LOCAL

Ano de Publicação: 2012

RELATÓRIO FINAL DO PROJETO DE MONITORAMENTO DA ATIVIDADE PESQUEIRA NO LITORAL DO BRASIL – PROJETO ESTATPESCA Convênio SEAP/IBAMA/PROZEE Nº 109/2004 (Processo No. 00350.000749/2004-19) Brasília -

INTRODUÇÃO

A evolução e o desempenho do setor pesqueiro no Brasil podem ser analisados segundo quatro grandes fases. Estas, por sua vez, irão refletir-se no comportamento da expansão do setor e dando-lhe maior peso na composição do produto primário brasileiro:

1 – Primeira fase artesanal que registra, já em 12 de fevereiro de 1765, a regulamentação das pescarias de baleia na costa brasileira, que se prolonga até 1962, por ocasião da criação da Superintendência do Desenvolvimento da Pesca – SUDEPE;

2 – Segunda fase. É a fase considerada de industrialização do setor pesqueiro e que pode ser analisada segundo três períodos caracterizados por marcos institucionais relevantes.

►A ação governamental surgiu, inicialmente, através da Lei Delegada nº 10, de 11 de outubro de 1962, criando a SUDEPE, como autarquia subordinada ao Ministério da Agricultura, marcando assim o 1º período, da 2ª fase, da evolução do setor pesqueiro;

►Segundo Período. A partir de 1967, alargou-se a faixa de atividades da SUDEPE. Em 28 de fevereiro de 1967, o Decreto-lei nº 221, ampliou sua competência incluindo-a no rol das entidades de estímulo e proteção às  atividades relacionadas com o desenvolvimento econômico do País, admitindo deduções tributárias para investimentos em empreendimentos pesqueiros – os chamados Incentivos Fiscais da Pesca. Também, em 16 de março de 1967, através do Decreto 60.401, é criado o Programa de Pesquisa e Desenvolvimento Pesqueiro do Brasil (PDP) oriundo do Convênio Internacional celebrado entre a FAO e o Governo Brasileiro, através do Ministério da Agricultura; e.

►Terceiro Período. Com o Decreto-lei nº 1.376, de 12 de dezembro de 1974, a SUDEPE tornou-se Agência Governamental de Desenvolvimento Setorial, competindo-lhe a administração dos Incentivos Fiscais alocados à pesca e cabendo ao Banco do Brasil S/A a atribuição de operar o FISET-PESCA. A principal inovação consistiu em tornar desnecessária a intermediação junto a investidores potenciais na captação de incentivos.

3 – Terceira Fase. É a fase de busca na correção de rumos para a pesca extrativa, em função da sobrepesca registrada para as espécies costeiras de maior importância comercial (lagosta, sardinha-verdadeira, pargo e camarões) e pode ser analisado segundo dois períodos caracterizados por marcos institucionais relevantes:

►A ação governamental surgiu, inicialmente, através da Lei nº 7.735, de 22 de fevereiro de 1989, extinguindo a SUDEPE e criando o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis – IBAMA com a finalidade de formular, coordenar, executar e fazer executar a política nacional do meio ambiente e da preservação, conservação e uso racional, fiscalização, controle e fomento dos recursos naturais renováveis;

►Segundo Período. Diante de uma concepção institucional de gestão pública da atividade pesqueira centrada na preservação dos recursos pesqueiros, que retraiu o desenvolvimento do setor pesqueiro, em 21 de julho de 1998, através do Decreto nº 2.681, foi criado o Departamento de Pesca e Aqüicultura - DPA, subordinado ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento com a finalidade de promover ações para o desenvolvimento e fomento da produção pesqueira e aqüicola, bem como a gestão das espécies inexplotadas ou subexplotadas e as “altamente migratórias” (atuns e afins), ficando as “sobreexplotadas aos cuidados do IBAMA/MMA. A extinção do DPA e a criação da Secretaria Especial de Aqüicultura e Pesca da Presidência da República – SEAP-PR, através da Lei nº10.683 de 28 de maio de 2003, ratificou esse quadro que se mantém atualmente, com a simples passagem das atribuições do primeiro para a segunda”.

O Brasil, apesar da extensão de seu litoral ter cerca de 8.500 quilômetros e uma Zona Economicamente Exclusiva - ZEE de 3,5 milhões de km², os estudos técnicos já realizados para uma faixa litorânea de até 200m de profundidade estimam um potencial anual de captura sustentável variando entre 1,4 milhão de toneladas e 1,7 milhão de toneladas. A produção pesqueira marinha e estuarina, que atingiu mais de 700 mil toneladas anuais na década de 80, caiu para cerca de 500 mil nos últimos anos. No ano de 2004 a produção foi estimada em 500.116,0 toneladas – Quadro 1.

Ano de Publicação: 2006

Ecologia alimentar nas diferentes fases ontogenéticas de Cathorops spixii, C. agassizii, e Sciades herzbergii (Actinopterygii – Ariidae) - Dissertação de Mestrado na UFPE

Resumo

Neste estudo foi descrita a ecologia alimentar nas diferentes fases ontogenéticas (juvenil, sub-adulta e adulta) de três espécies de Ariidae (C. spixii, C. agassizii e S. herzbergii). Os indivíduos foram coletados no canal principal do estuário do Rio Goiana (NE/Brasil), durante as estações seca e chuvosa de 2006 à 2008. Os estômagos de 182 indivíduos com conteúdo foram analisados, dos quais 60 pertenciam a C. spixii, 60 a C. agassizii e 62 a S. herzbergii. Mudanças na dieta ao longo das fases ontogenéticas puderam ser identificadas. Em C. spixii Calanoida foi importante nas fases juvenil (3 a 5 cm) e sub-adulta (5,1 à 12 cm) sendo substituída por Ostracoda na fase adulta (> 12 cm). Já em C. agassizii Calanoida foi a presa mais importante ao longo das três fases ontogenéticas. Em S. herzbergii Uca spp foi a presa mais importante ao longo das três fases ontogenéticas, no entanto Calanoida e larva de Diptera também foram importantes na fase juvenil (5,1 à 12 cm), o que indica sobreposição alimentar com as espécies do gênero Cathorops durante essa fase de vida em relação à presa Calanoida. C. spixii e C. agassizii apresentaram hábitos alimentares mais semelhantes quando comparados com S. herzbergii, indicando que as duas espécies possivelmente competem por alimento. Presas maiores tais como Bivalvia, Actinopterygii e crustáceos de maior tamanho podem ser ingeridas por C. spixii e C. agassizii na fase adulta, dependendo da disponibilidade local. Para S. herzbergii a fonte de alimento provem principalmente dos canais das florestas de manguezal, onde o principal item alimentar, o caranguejo do gênero Uca spp é mais abundante. S. herzbergii foi considerada a mais especializada, e C. agassizii generalista. A fase sub-adulta de C. spixii (5,1-12 cm) apresentou maior riqueza de itens alimentares, no entanto, poucas espécies dominaram em número e peso (principalmente Calanoida), causando queda na equitatividade (E2). Houve um aumento na riqueza itens alimentares ao longo da vida de C. agassizii, no entanto o número de espécies abundantes (N1) se manteve constante (principalmente Calanoida). Isso causou um declínio no índice de equitatividade (E2) ao longo das três fases ontogenéticas. Em relação a S. herzbergii, a riqueza de itens alimentares se manteve constante ao longo das três fases ontogenéticas. Isto sugere que essa espécie seja especialista desde as primeiras fases de vida. Os valores do índice de diversidade (N1) para número sempre foram superiores aos de peso. A ingestão de Decapoda (principalmente Uca spp) foi a principal causadora dessa tendência, por possuírem elevados pesos em relação às outras presas ingeridas. Todas as medidas morfométricas analisadas variaram como uma função do comprimento total e do comprimento da cabeça, sendo que, com exceção do  comprimento do trato gastrointestinal (b > 1) todas as outras variáveis morfométricas apresentaram crescimento alométrico negativo (b < 1). A proporcionalidade no crescimento das varáveis teve implicações diretas nos hábitos alimentares das três espécies, pois possibilitou a ingestão de presas de maior tamanho na fase adulta, otimizando a relação esforço/benefício para a obtenção de energia necessária para o peixe. A ingestão de fios de nylon pelas três espécies estudas indicam que o estuário vem sofrendo influência antrópica.

Palavras chave: conteúdo estomacal, variação ontogenética, estuário do Rio Goiana.


Abstract

This study described the feeding ecology of three species of Ariidae (Cathorops spixii, C. agassizii and S. herzbergii) in different ontogenetic stages (juvenile, sub-adult and adult). Individuals were collected in the main channel of the Goiana River estuary (Northeast Brazil), during dry and rainy season from 2006 to 2008. The stomachs of 182 individuals with contents were analyzed, of which 60 were C. spixii, 60 C. agassizii and 62 S. herzbergii. Changes in diet over the ontogenetic stages could be identified. In C. spixii Calanoida was important in the juvenile (3 to 5 cm) and sub-adult (5.1 to 12 cm) stages, being replaced by Ostracoda in the adult stage (> 12 cm). Calanoida was the most important prey along three ontogenetic stages of C. agassizii. In S. herzbergii Uca spp was the most important prey over three ontogenetic stages. However Calanoida and diptera larvae were also important in the juvenile stage (5 to 12 cm), which indicates diet overlap with the species of Cathorops during this phase of life for prey Calanoida. C. spixii and C. agassizii have more similar diets when compared with S. herzbergii. This indicates that the two species of the genus Cathorops possible compete for food. The presence of larger prey such as Bivalvia, crustaceans and actinopterygii indicated that larger size can be ingested by C. spixii and C. agassizii in adult stage, however depend on local availability. For S. herzbergii the food supply comes mainly from the tidal creeks that cross the mangrove flooded forest, where its main food item, Uca spp, is more abundant. S. herzbergii was considered the most specialized, and C. agassizii a generalist. The sub-adult stage of C. spixii (phase 2: 5.1 to 12 cm) had the highest prey species richness, however, few species dominated in numbers and weight (mainly Calanoida), causing a decrease in evenness (E2). There was an increase in species richness of prey throughout the life of C. agassizii. However, the number of abundant species (N1) remained constant (mainly Calanoida), which caused a decline in the index of evenness (E2) over the three ontogenetic stages. For S. herzbergii, species richness remained constant over the three ontogenetic stages which suggest that the species has a tendency to more specialists from the earliest stages of life. The values of diversity index (N1) for number were always higher than the weight. Ingestion of Decapoda (mainly Uca spp) was the main cause of this trend, because they have high weights in relation to other preys. All morphometric measurements analyzed varied as a function of total length and head length, and, except for the length of the gastrointestinal tract (b > 1) all other morphometric variables showed negative allometric growth (b <1). The proportionality in the growth of the variables had direct implications on the dietary habits of the three species, since it allows ingestion of prey of larger sizes in adulthood optimizing the effort : benefit relationship. The ingest of nylon for three species indicate antropic influence.

Key words: stomach contents, ontogenetic shift, Goiana River estuary.


Ano de Publicação: 2010

Saberes, Narrativas e Conflitos na pesca artesanal

O livro que ora apresentamos é fruto de nossa inserção no debate acadêmico em torno da pesca artesanal e das questões socioambientais no Brasil há pelo menos uma década. As várias ações e os projetos que desenvolvemos entre os anos de 2011 e 2014 no Grupo de Estudos e Pesquisa em Populações Pesqueiras e Desenvolvimento no ES (Geppedes) nos permitiram pensar sobre a importância de divulgar os estudos sobre essa temática. Foi quando lançamos a proposta de um livro no qual outros estudos pudessem ser incluídos a fim de oferecer um panorama da pesca artesanal realizada no litoral do Brasil. O objetivo principal desta obra sempre foi – desde o momento inicial da divulgação do edital que selecionou artigos para compô-la – o de trazer para a reflexão acadêmica um problema atual: a situação das populações pesqueiras que vivem e trabalham na costa brasileira. Exatamente por isso concentramos esta produção prioritariamente entre os pesquisadores e os grupos que estudam essa temática no Brasil. Junto a este ensejo de promover reflexão sobre a situação das populações pesqueiras do litoral, há também o desejo de divulgar as atuais pesquisas para aprofundar debates, consolidar grupos e  constituir redes, principalmente entre aqueles que têm sinalizado questões teóricas e práticas importantes que possam contribuir para os estudos a respeito das populações pesqueiras. Desse modo, esta obra contém artigos de pesquisadores de várias regiões litorâneas, o que permite uma ampla e consistente reflexão a partir das diversidades culturais, sociais e econômicas existentes. Também exibe problemáticas com similaridades que dão significativa relevância ao tema dos impactos socioambientais nas regiões da costa Nordeste-Sudeste do Brasil, nas quais as populações pesqueiras têm sido altamente afetadas por transformações socioeconômicas, culturais e tecnológicas. São, ao todo, sete artigos descrevendo pesquisas entre o estado de Pernambuco e o estado do Rio de Janeiro. Acrescenta-se ainda um estudo sobre uma comunidade pesqueira do litoral de Portugal. Nele são mostradas as transformações ocorridas na região do sul de Portugal e as alternativas adotadas para a preservação da memória coletiva local. A localização das regiões abordadas pelos estudos aqui publicados consta na ilustração a seguir (Figura 1). A conjuntura analisada nestes trabalhos nos remete basicamente às transformações vivenciadas pelas populações litorâneas nas últimas décadas e procura promover a reflexão sobre as problemáticas geradas por tais mudanças. De modo geral, os artigos têm em comum a discussão sobre os percursos de resistência traçados para a adaptação, a organização e a luta pela sobrevivência dos interesses desses grupos frente a processos globalizadores. Por fim, é necessário destacar que os nossos projetos de pesquisa e extensão tiveram apoio do MEC, da ProExt, da Ufes, da Edufes, da Fapes e do CNPq. Sem esses parceiros não teria sido possível a realização do trabalho de campo. É preciso expor também que o Centro de Ciências Humanas e Naturais, o Programa de Pós- Graduação em Ciências Sociais e o Departamento de Ciências Sociais ofereceram apoio logístico e de infraestrutura ao Geppedes por meio da cessão de uma sala, além de terem sido mediadores na resolução de outros processos. Ressaltamos ainda o trabalho dos assistentes editorias da Edufes. Desse modo  agradecemos a todos os que colaboraram de alguma forma para a publicação deste livro, principalmente aos pesquisadores que contribuíram com os artigos, aos bolsistas do Geppedes e aos pescadores e pescadoras das comunidades pesquisadas.

Ano de Publicação: 2015

ASPECTOS HIDROGEOLÓGICOS DA REGIÃO COSTEIRA NORTE DE PERNAMBUCO – PAULISTA A GOIANA - Dissertação de mestrado na UFPE

RESUMO

A área de estudo está compreendida entre as coordenadas geográficas de latitude S07º27´34”e 07º58´55” e longitude W034º48`29” e 035º08´45”, e abrange os municípios de Paulista, Abreu e Lima, Araçoiaba, Itamaracá, Igarassu, Itapissuma, Goiana e Itaquitinga. Atividades econômicas terciárias e secundárias são predominantes na porção sul da área, e atividades agrícolas na porção norte. Problemas sociais e dificuldades do ponto de vista dos recursos hídricos impedem o pleno desenvolvimento econômico. O objetivo principal desta pesquisa é o levantamento dos principais aspectos da hidrogeologia da área de estudo. Foram utilizadas informações de perfis litológicos construtivos de poços, testes de bombeamento e boletins de análise físico-química de 388 poços tubulares, além de dados bibliográficos que possibilitaram a confecção dos mapas de contorno estrutural do embasamento cristalino, potenciométrico, transmissividade e isópacas do aqüífero Beberibe. A recarga do aqüífero Beberibe pode ser preliminarmente analisada através do balanço hídrico elaborado a partir de dados de precipitação pluviométrica, evapotranspiração potencial e deflúvio. A geologia é representada pelo Grupo Paraíba, além de depósitos quaternários e Formação Barreiras, assentados sobre o embasamento cristalino. Do ponto de vista hidrogeológico destaca-se a ocorrência dos aqüíferos intersticiais Beberibe/Itamaracá, Barreiras e Depósitos de cobertura, além do aqüífero fissural representado pelo Embasamento Cristalino. Os resultados obtidos demonstram alguns aspectos relevantes quanto à geometria dos aqüíferos e dinâmica da água subterrânea. Foi realizado ainda um zoneamento, denominado de Zoneamento de Áreas de Explotação (ZAE), distinguindo-se quatro zonas denominadas de Zonas I, II, III e IV, sendo esta última subdividida em subzonas denominadas IVA, IVB e IVC. PALAVRAS CHAVE: Água subterrânea, aqüífero , Hidrogeologia, Geologia, Aqüífero Beberibe.


ABSTRACT

The area under study is situated between meridians 34o 48’ 29’’ and 35o 08’45’’W and between parallels 7o 27’ 34’’and 7o 58’ 55’’ S, including the cities of Paulista, Abreu e Lima, Araçoiaba, Itamaracá, Igarassu, Itapissuma, Goiana and Itaquitinga. Tertiary and secondary economic activities are prevalent in the southern part of the area while a crop-raising economy prevails in its northern part. Social problems and difficulties concerning water resources management constitute main constraints to a full economic development of the area. Literature information and data from 388 wells were obtained concerning lithology, drilling and completion, pumping tests and chemical analysis, which made possible to draw iso-thickness and iso-transmissivity lines of the Beberibe Aquifer, contour lines of the crystalline basement and contour lines of the Beberibe hydraulic head. The recharge of Beberibe Aquifer was analised by water budget of the área, using precipitation, evaporation and runoff. The geologic scenery of the area comprises the Paraiba Group resting on the crystalline basement and, at its turn, nearly covered over with the Barreiras Formation and Quaternary deposits. From a hydrogeologic point of view are pointed out the aquifers namely the crystalline basement where groundwater occurs only in fracture zones; and the Barreiras, and Beberibe/Itamaracá formations, where groundwater is more plentiful given their granular porosity. The results obtained draw attention to some important features regarding the geometry of the aquifers and groundwater dynamics.An Explotation Areas Zoning was established where Zones I, II, III and IV may be distinguished and where Zone IV is divided into Sub-zones IVA, IVB and IVC. 

Key Words: Groundwater, aquifer, hydrogeology, geology, Beberibe Aquifer

Ano de Publicação: 2003

A Pesca do camarão marinho (Decapoda - Pnaeidae ) e seus aspectos socio-ecológicos no litoral de Pitimbu - Paraíba - Brasil - Tese de Doutorado na UFPE

Ano de Publicação: 2005

Monitoramento da Biodiversidade Estrutura Pedagógica do Ciclo de Capacitação

Ano de Publicação: 2014

MONITORA PROGRAMA NACIONAL DE MONITORAMENTO DA BIODIVERSIDADE Subprograma Terrestre Componente Florestal Relatório triênio 2014-2016

Apresentação

Falar em monitoramento da biodiversidade como um desafio para um órgão acostumado a tantos outros, a começar pelo maior deles que é gerir mais de 300 unidades de conservação em um país de dimensões continentais, parece repetir uma palavra que acabou por se tornar um lugar comum. E para quem já se acostumou a números superlativos, mencionar sobre a instalação e operação de 54 estações de coleta em 26 unidades de conservação na Amazônia, Mata Atlântica e Cerrado, pode soar pouco impressionante, afinal estamos falando de menos de 10% do sistema federal de UC. Mas se compararmos o esforço brasileiro com o de outros países que se empenharam em desenvolver ações de monitoramento da biodiversidade em escala nacional, como a África do Sul, vê-se que, em números absolutos, estamos falando de um esforço de dimensões gigantescas. Ou será que é uma superestimação falar que em três anos de trabalho cobriu-se, em trilhas percorridas, uma extensão correspondente à distância entre o Rio Grande, no Rio Grande do Sul, e Bogotá na Colômbia, quase 7.000 km? Ou que nesses três anos foram gastos mais de 1.500 dias na coleta de dados sobre a fauna e a flora? Asseguro-lhes, sem medo de errar ou de cometer exageros, que não é um esforço pequeno, nem mesmo para os parâmetros do Instituto Chico Mendes. Ainda assim, estamos falando de números que representam o início do Programa Monitora, o que significa que ainda vem muito mais por aí, não só no aumento do esforço de amostragem nas unidades já trabalhadas, sobretudo nos biomas Mata Atlântica e Cerrado, mas também na ampliação do número de unidades de conservação. O monitoramento da biodiversidade é uma ferramenta importantíssima para geração de informações, não só para apoiar a gestão das unidades de conservação, respondendo perguntas ou apontando tendências, mas principalmente para fomentar o debate benéfico a cerca da efetividade do sistema federal de UC para a conservação da biodiversidade. Indo um pouco mais além, o monitoramento pode trazer, em primeira mão, informações que confirmem possíveis alterações associadas às mudanças climáticas, especialmente em relação aos padrões de distribuição das espécies. Sem mencionar o quanto essas informações são úteis para avaliação do estado de conservação da fauna e da flora, apoiando a construção das listas nacionais de espécies ameaçadas. Esses são apenas alguns exemplos da aplicação dos resultados do monitoramento, que mostram a importância desse esforço. Entretanto, muitos outros exemplos podem ser citados, principalmente associados à gestão do uso dos recursos naturais. Os resultados aqui apresentados representam uma pequena prévia do que está por vir e desde já fica o desafio aos leitores de enxergar as múltiplas aplicações que tais resultados podem trazer para a conservação e para o uso sustentável da biodiversidade.

Marcelo Marcelino de Oliveira


Introdução

O aprimoramento das estratégias e ações de conservação da biodiversidade requer excelência na produção e gestão do conhecimento. É desafio recorrente a priorização de ações com base em dados confiáveis sobre as espécies, ecossistemas, serviços ambientais e recursos naturais bem como sua relação com a sociedade, assim como a identificação das áreas mais adequadas a serem protegidas visando uma maior efetividade da rede de unidades de conservação, considerando as várias ameaças, inclusive das mudanças climáticas. Também é necessário analisar os impactos das estratégias de conservação, subsidiar o manejo, identificar boas práticas, dentre outros desafios. O estabelecimento de um programa de monitoramento da biodiversidade longevo, abrangente e consistente visa lidar com diversas dessas lacunas de conhecimento, fornecendo dados contínuos que permitem análises de tendências e em múltiplas escalas, úteis a diversos instrumentos de gestão, desde planos de manejo das unidades de conservação à manifestações do país em acordos internacionais. O Estado Brasileiro, como parte contratante da Convenção da Diversidade Biológica – CDB, tem entre os compromissos assumidos o propósito de atendimento ao “Artigo 7 – Identificação e Monitoramento”, que em sua alínea b estabelece: “monitorar, por meio de amostras ou outras técnicas, os componentes da diversidade biológica prestando especial atenção aos que requeiram urgentemente medidas de conservação e aos que ofereçam maior potencial de utilização sustentável” (Brasil, 2000). A Política Nacional de Biodiversidade (PNB) (Brasil, 2002) reforça a necessidade de coleta sistematizada de dados de biodiversidade por longos períodos, expressa de forma ampla nos componentes 1 e 2 - “Conhecimento e Conservação da Biodiversidade” e diretamente no componente 4 - “Monitoramento, Avaliação e Mitigação de Impactos sobre a Biodiversidade”. Observando os conteúdos de documentos recentes como o “Fifth National Report to the CDB: Brazil” (Brasil, 2015) e a “Estratégia e Plano de Ação Nacionais para a Biodiversidade – EPANB para o período 2016 – 2020” (Brasil, 2016), elaborados pelo Ministério do Meio Ambiente, verifica-se que as informações relacionadas ao monitoramento da conservação da biodiversidade apresentadas e utilizadas na composição do “Biodiversity Conservation Index” contam em grande parte com informações sobre a cobertura da vegetação nativa e sobre a abrangência das áreas protegidas, complementadas pelo número de espécies presentes na lista de ameaçadas de extinção (Viana et al., 2013; Brasil, 2015), mas com escassos dados sobre populações, comunidades e qualidade ambiental, em áreas protegidas ou outros espaços territoriais. 

Ano de Publicação: 2018

Diagnósticos socioeconômico, ambiental e biológico da região dos estuários dos Rios Goiana e Megaó PB/PE

Ano de Publicação: 2006

Distribution of the Orange-winged Parrot Amazona amazonica (Linnaeus, 1766) (Aves, Psittacidae) in the coastal region of the State of Paraíba, Brazil

ABSTRACT.

 Fifty-six villages along the coast of the State of Paraíba, Brazil, were visited to determine and map the occurrence of Amazona amazonica (Linnaeus, 1766). Search was conducted with binoculars and the residents of each locality were interviewed using a questionnaire to obtain information about the occurrence and species´s biological data. Reports of recent and old occurrences, absence and feeding areas were registered. The food items mentioned were fruits, such as cashew, cashew nuts, palm oil, and agricultural products, such as corn. The reproductive period occurred between November and December. Breeding sites were mangrove areas and coconut trees, with nests being made in tree hollows. Questionnaires helped to elaborate a distribution map of the species, in which the actual distribution was based on visual records, whilst the potential distribution of the species was based on the questionnaire answers. Furthermore, they provided an overview of the biology of the species in agreement with that reported in the literature. Current data may be used in future studies on the conservation of the species in the State of Paraíba.

Keywords: conservation, curica, distribution map, questionnaires, reproduction.


RESUMO

Distribuição do papagaio-do-mangue Amazona amazonica (Linnaeus, 1766) (Aves, Psittacidae) na região costeira do Estado da Paraíba, Brasil RESUMO. Cinquenta e seis localidades foram visitadas ao longo da região costeira da Paraíba visando conhecer a distribuição de papagaio-do-mangue (Linnaeus, 1766) nessa região do Estado. Foram realizadas buscas ativas com auxílio de binóculos e aplicado um questionário aos moradores de cada localidade com perguntas sobre a ocorrência e dados biológicos da espécie. Foram discriminados relatos de ocorrência recente, antiga, ausência e áreas de alimentação. Os itens alimentares citados foram frutas como caju, castanha do caju, dendê, e produtos agrícolas como o milho verde. A época reprodutiva foi descrita entre os meses de novembro e dezembro. Locais de reprodução foram áreas de manguezal e coqueirais, com os ninhos sendo feitos em ocos de árvores. Os questionários possibilitaram a elaboração de um mapa de distribuição da espécie, com a distribuição real sendo aquela baseada em registros visuais e a distribuição potencial da espécie aquela baseada nos relatos; assim como a formação de um panorama geral da biologia da espécie, estando estes de acordo com a literatura. Os dados obtidos neste trabalho podem servir de subsídio para futuros trabalhos conservacionistas com a espécie no Estado. 

Palavras-chave: conservação, curica, mapa de distribuição, questionários, reprodução.


Ano de Publicação: 2014