Biblioteca


        
 
Título
Categoria Tipo de publicação
Descrição Autores


CO-MANAGEMENT OF FISHERY RESOURCES IN THE FLOODPLAIN COMMUNITIES OF THE MIDDLE AND LOWER AMAZON RIVER, BRAZIL - CO-MANEJO DOS RECURSOS PESQUEIROS EM COMUNIDADES DE VÁRZEA DO MÉDIO E BAIXO AMAZONAS, BRASIL

ABSTRACT

This study analyzes the results, impacts and lessons learned from the support provided by ProVárzea to two fishery management projects developed in Manacapuru, Amazonas State, and Gurupá, Pará State, between 2004 and 2006. During that period, said projects promoted institutional strengthening, emergence of leadership and improvements to the fishing management system, which was oriented to four species of characiformes and two species of siluriformes, with biomass values and gross revenues that have shown a tendency to increase, but with oscillation of the price per kilogram between the years evaluated only for the region of Gurupá. The fishery resources management model adopted by the institutions and communities supported by ProVárzea represents a new way to integrate the actions of the State with the organized civil society, thus contributing to the social, economic and environmental sustainability of fishing practices in the Amazon.

RESUMO

O presente estudo analisa os resultados, impactos e lições do apoio do ProVárzea a dois projetos de manejo dos recursos pesqueiros desenvolvidos em Manacapuru (AM) e Gurupá (PA), entre os anos 2004 e 2006. Nesse período, os projetos promoveram o fortalecimento institucional, o surgimento de lideranças e melhorias no sistema de manejo de pesca, direcionada a quatro espécies de caraciformes e duas de siluriformes, cujos valores de biomassa e receita bruta mostram tendência a aumentar, porém com oscilação de preço por quilograma entre os anos avaliados unicamente para a região de Gurupá. O modelo de gestão dos recursos pesqueiros praticado pelas instituições e comunidades apoiadas pelo ProVárzea representa uma nova forma de integrar as ações do Estado com a sociedade civil organizada, contribuindo com a sustentabilidade social, econômica e ambiental da pesca na Amazônia.

Ano de Publicação: 2010

Botos e turistas em risco Parque estuda normas para interação de visitantes com animais em rios da Amazônia

As interações de turistas com botos no rio Negro, em Novo Airão (AM), tornaram a cidade mundialmente conhecida. Visitantes brasileiros e estrangeiros encantam-se ao alimentar os botos e nadar com eles. A atividade, porém, vem ocorrendo de modo desordenado, gerando problemas para os animais e os turistas. Uma iniciativa do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) pode mudar esse cenário, garantindo o bem-estar dos botos e das pessoas que interagem com eles.

Ano de Publicação: 2011

As atividades turísticas baseadas na alimentação artificial de botos-da-Amazônia (Inia geoffrensis) e a legislação ambiental brasileira The Touristic Activities Based on Artificial Feeding of Botos (Inia geoffrensis) and the Brazilian Environmental Legislation

RESUMO


A atividade turística de interação ser humano-boto-da-Amazônia (Inia geoffrensis), baseada na prática do condicionamento por meio da alimentação artificial, vem aumentando quantitativamente nos últimos anos, assim como a literatura que descreve os seus efeitos negativos. O objetivo deste trabalho é avaliar essa atividade à luz da legislação ambiental, tomando como estudo de caso o Parque Nacional de Anavilhanas (PNA), localizado em Novo Airão, Estado do Amazonas, Brasil. A partir de consultas à literatura especializada, da leitura do arcabouço legal e da análise de material empírico, constata-se que i) legalmente, esta prática está em conflito com alguns aspectos da legislação ambiental, conceitos de ecoturismo e funções das Unidades de Conservação, e ii) administrativamente, os órgãos ambientais responsáveis vêm tomando as medidas necessárias para a mitigação dos impactos negativos e conduzindo ações graduais visando adequar as atividades turísticas à legislação ambiental vigente. Conclui-se afirmando que muito ainda deve ser feito para que o modelo de turismo com botos na Amazônia seja desenvolvido de forma sustentável, sugerindo-se que o conjunto de ações heterogêneas propostas seja implementado para este fim.

Palavras-chave: alimentação artificial de animais silvestres; turismo de natureza; política ambiental.

ABSTRACT

Here we evaluate the touristic activity involving the interaction between botos (Inia geoffrensis) and humans based on the conditioning through artificial feeding in the light of the environmental legislation, using the Anavilhanas National Park (ANP) as case study. The Park is located in the Brazilian Amazon, in Novo Airão city, Amazonas State. This activity has significantly increased over the last years, as well as the literature describing its negative effects. By consulting the specialized literature, analyzing the legal framework and empirical material, it was verified that i) legally speaking this practice presents conflicts to some aspects of the Brazilian environmental legislation, ecotourism concepts and functions of the Conservation Units and, ii) administratively speaking, the environmental agencies are now taking appropriate steps to mitigate the negative impacts and gradual actions in order to alter the touristic activities to comply with the current environmental legislation. We conclude that there is still a lot to be done for the botos tourism model that occurs in the Brazilian Amazon to be conducted in a sustainable manner, suggesting that the group of heterogeneous actions proposed here be implemented to achieve that.

Keywords: wildlife artificial feeding; nature tourism; environmental policy.

Ano de Publicação: 2013

A outra face da enchente

Alcançando a marca de 29,97 metros acima do nível do mar, a cheia do Rio Negro em 2012 modificou a paisagem na cidade de Manaus e arredores, trouxe prejuízos sociais, econômicos, e chamou a atenção da população para um problema comum nas grandes cidades: o lixo urbano

Ano de Publicação: 2013

Manejo ambiental com vistas à restauração de área invadida por Hedychium coronarium J. Köenig (Zingiberaceae) - Dissertação Mestrado pela UFSC

RESUMO

Espécies exóticas invasoras (EEI) são aquelas que chegam, com ajuda humana, a um hábitat que não ocupavam anteriormente, estabelecem uma ou mais populações e se disseminam de forma autônoma a maiores distâncias. Invasões por plantas exóticas podem afetar os ecossistemas invadidos, causando, dentre demais impactos, uma modificação da composição e riqueza florística. Unidades de conservação vêm sendo invadidas por espécies exóticas, sendo necessário controlar estas espécies de forma a prevenir impactos causados por invasões biológicas. Uma das técnicas de manejo de plantas exóticas invasoras, o controle almeja restringir a abundância e a distribuição de EEI a limites pré-estabelecidos, de forma a reduzir sua competitividade e permitir às espécies nativas a sua recuperação. Efeitos duradouros da presença de EEI nos ambientes invadidos, ou legacy effects, podem dificultar a recolonização por espécies nativas após a retirada das EEI, sendo necessárias outras intervenções para restauração destas áreas. Técnicas de restauração fundamentadas nos processos naturais de sucessão ecológica podem acelerar a recolonização local por espécies nativas. Uma destas técnicas, a transposição de solo, consiste da retirada da camada superficial do solo de uma comunidade vegetal local, em estágio sucessional mais avançado, e aplicação deste material sobre a área a ser restaurada, visando a recolonização do solo por microorganismos e introdução de sementes e outros propágulos. Hedychium coronarium J. Koenig (Zingiberaceae) é uma espécie herbácea rizomatosa, originária do Himalaia, considerada invasora em diversos países. O presente estudo visa comparar a resposta da assembleia vegetal em uma área invadida por H. coronarium após a execução de diferentes medidas de manejo ambiental. A hipótese testada foi que ao associar a transposição de solo ao controle da EEI pelo uso de herbicida seriam observadas maiores riqueza e abundância de espécies comparativamente a áreas manejadas exclusivamente com herbicida, áreas nas quais foi feita somente a transposição de solo e áreas nas quais a espécie não foi manejada. O experimento, implementado na Floresta Nacional de Ibirama (Ibirama, SC, Brasil) foi delineado em 12 blocos casualizados, cada um composto por quatro parcelas de 1 m2, as quais foram aleatoriamente selecionadas para receber um dos tratamentos: “Solo” - Corte das rametas de H. coronarium e transposição de camada de 5 cm de solo de área em estágio avançado de regeneração; “Herb” – Corte das rametas de H. coronarium e aplicação foliar de herbicida à base de Glifosato a 3% sobre rebrotas de H. coronarium; “Solo+Herb” – Corte das rametas de H. coronarium, aplicação foliar de herbicida à base de

Glifosato a 3% sobre rebrotas de H. coronarium e transposição de solo; “Controle” - sem intervenção. Antes da aplicação dos tratamentos, e nos onze meses seguintes, as parcelas foram avaliadas quanto ao número de rametas de H. coronarium, altura média das rametas (média de dez rametas selecionadas ao acaso), porcentagem de cobertura por H. coronarium e por outras espécies (nativas e exóticas), riqueza e abundância de espécies (todas exceto H. coronarium). Os dados coletados foram analisados por meio de LMM e GLMM para detectar diferenças entre tratamentos quanto aos parâmetros mensurados, sendo utilizada como variável resposta a diferença entre os valores finais e iniciais de cada parâmetro. Diferenças entre os tratamentos quanto à composição de espécies regenerantes foram avaliadas por Análises de Coordenadas Principais (PCoA). Tratamentos com controle químico (com e sem transposição de solo) tiveram resultados semelhantes em todos os parâmetros avaliados e na composição florística, predominantemente composta por ervas e arbustos. O tratamento que envolveu apenas o corte de rametas de H. coronarium e transposição de solo diferiu dos demais tratamentos em todos os parâmetros analisados: não houve efeito na redução de H. coronarium e o estabelecimento de espécies regenerantes foi inferior aos demais tratamentos, quanto à riqueza, abundância e cobertura. Quanto à composição florística nestas parcelas, houve predominância de espécies arbóreas. Não foi possível corroborar a hipótese de que a transposição de solo proporcionaria maior riqueza e abundância de espécies em parcelas tratadas com herbicida, dada a semelhança entre os resultados dos tratamentos que receberam herbicida. Como a transposição de solo em parcelas não manejadas com herbicida permitiu o estabelecimento de plântulas de espécies arbóreas, há indícios de que o sombreamento proporcionado por H. coronarium nestas parcelas possa ter influência sobre a composição da assembleia de plantas na área manejada. Em virtude da dormência de sementes observada em espécies arbóreas da Floresta Atlântica, é provável que ainda ocorra germinação de sementes nas parcelas manejadas com transposição de solo (com e sem herbicida). Neste cenário, seria interessante acompanhar o experimento por mais tempo, para verificar se a composição florística das parcelas do tratamento que recebeu solo e herbicida será mais influenciada, no futuro, pelos propágulos de espécies arbóreas recebidos. Os dados obtidos até o momento indicam que o manejo da área por meio de controle químico é suficiente para proporcionar aumento na riqueza e abundância de espécies, e a transposição de solo permite a colonização por espécies que podem acelerar o processo de restauração.

Palavras-chave: 1. Controle químico, 2. Espécies exóticas invasoras, 3. Plantas exóticas invasoras, 4. Transposição de solo, 5. Unidades de conservação

Ano de Publicação: 2019

BIODIVERSIDADE E CONSERVAÇÃO MARINHA - REVISTA CEPSUL - ICMBIO

Acervo Digital

CEPSUL / ICMBIO - Centro de Pesquisa e Gestão de Recursos Pesqueiros do Litoral Sudeste e Sul.

http://www.icmbio.gov.br/cepsul/acervo-digital.html

(http://www.icmbio.gov.br/revistaeletronica/index.php/cepsul/index

Estão disponíveis documentos em texto integral para download em formato PDF.

 

BOLETINS DE PLANOS DE AÇÃO

São boletins com notiícias e informações provenientes de colaboradores, articuladores e membros dos grupos de assessoramento técnico dos planos de ação nacionais para a conservação da fauna coordenados pelo CEPSUL.

 

Trabalhos Técnicos

São documentos, relatórios técnico-científicos produzidos pelo CEPSUL, SUDEPE, IBAMA, ICMBio e MMA provenientes de pesquisas, oficinas e reuniões de comitês científicos realizadas por seus pesquisadores, bem como em parcerias com outras instituições.

Relatório de Ordenamento

São documentos técnicos resultantes do processo de discussão para o ordenamento do setor pesqueiro.

Estatística de Produção Pesqueira

Apresenta informações estatísticas sobre a produção pesqueira organizada por ano e por Região (Brasil, Santa Catarina, Rio Grande do Sul, Paraná, São Paulo, Rio de Janeiro e Espírito).

Por Ano    Por Região

Artigos Científicos

Apresenta trabalhos científicos publicados pelos pesquisadores do CEPSUL ou desenvolvidos em parecerias com outras instituições.

Eventos Científicos

Trabalhos apresentados em eventos científicos pelos pesquisadores do CEPSUL ou desenvolvidos em parcerias com outras instituições.

Teses e Dissertações

Relatórios de pesquisas de pós-graduação desenvolvidas pelos pesquisdores do CEPSUL e/ou com apoio do CEPSUL.

Mapas Temáticos

Mapas sobre: fauna ameaçada de extinção, distribuição de crustáceos capturados, distribuição da frota pesqueira e distribuição de recursos pelágicos capturados.

Livros Digitais

Ano de Publicação: 2010 / 2011 / 2012 / 2013 / 2014 / 2015 / 2016 / 2017 / 2018 / 2019

ELASMOTÍCIA - Boletim mensal do Plano de Ação Nacional para a Conservação dos Tubarões e Raias Marinhos Ameaçados de Extinção - PAN Tubarões - Edição 04 - Março 2019

Ano de Publicação: 2019

ELASMOTÍCIA - Boletim mensal do Plano de Ação Nacional para a Conservação dos Tubarões e Raias Marinhos Ameaçados de Extinção - PAN Tubarões - edição 03 - desembro 2018

Ano de Publicação: 2018

ELASMOTÍCIA - Boletim mensal do Plano de Ação Nacional para a Conservaçãodos Tubarões e Raias Marinhos Ameaçados de Extinção - PAN Tubarões - edição 02 - outubro 2018

Ano de Publicação: 2018

ELASMOTÍCIA - Boletim mensal do Plano de Ação Nacional para a Conservação dos Tubarões e Raias Marinhos Ameaçados de Extinção - PAN Tubarões

Ano de Publicação: 2018