Biblioteca


        
 
Título
Categoria Tipo de publicação
Descrição Autores


CORREDOR ECOLÓGICO ENTRE AS ÁREAS PROTEGIDAS DE CARAJÁS E DA TERRA DO MEIO, PARÁ - Dissertação de Mestrado UFTO

RESUMO

Esta pesquisa visa analisar a viabilidade de implantação de um corredor ecológico entre as áreas protegidas de Carajás e da Terra do Meio, no Estado do Pará. O corredor ecológico é uma estratégia de integração paisagística que auxilia na amortização de impactos nos limites das áreas protegidas e contribui com a produção de alternativas econômicas para as populações locais. A área de estudo é um ecossistema onde pequenos e médios agricultores praticam atividades agropecuárias. A literatura aponta duas estratégias para aumentar a permeabilidade de paisagens em agroecossistemas: aumento da diversidade de cultivos e aumento da proporção de áreas naturais. A metodologia de análise utilizou um sistema de informações geográficas para delimitação da área do corredor e determinação da área a ser recuperada. Realizou-se um diagnóstico dos agroecossistemas que abrangem o corredor ecológico, com enfoque no metabolismo socioecológico. Os agroecossistemas foram agrupados em categorias e procedeu- se a análise econômica e ecológica dos sistemas de produção, considerando sua relação com a gestão dos fatores de produção: força de trabalho, terra/recursos naturais e capital. A conversão do uso da terra passa pela transição agroecológica dos agroecossistemas do corredor ecológico, sendo, a intensificação pecuária e os sistemas agroflorestais com cacau sombreado, as alternativas mais adaptadas a esta região, de acordo com as características dos agricultores: camponês ou empresarial. A restauração florestal é uma opção nos casos onde o trabalho e o capital sejam limitantes. Conclui-se que o corredor ecológico proposto tem viabilidade técnica e ambiental para ser implantado e que através de práticas agroecológicas é possível integrar os objetivos da produção agropecuária aos da conservação da biodiversidade, responsável, por sua vez, pelo fornecimento de serviços ecossistêmicos aos agroecossistemas. A pesquisa também contribui com informações para a estruturação de uma gestão territorial mais integradora entre os diferentes ecossistemas.

Palavras-chave: Unidade de conservação; Corredor ecológico; Agroecossistema; Transição agroecológica; Serviços ecossistêmicos da biodiversidade.

Ano de Publicação: 2019

ESTRUTURAÇÃO DO USO PÚBLICO PARA MELHORAR A EFETIVIDADE DE GESTÃO DA FLORESTA NACIONAL DE RITÁPOLIS - Dissertação de Mestrado JBRJ

RESUMO

A Flona de Ritápolis é uma unidade de conservação gerida pelo Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade, localizada na Região Campos das Vertentes de Minas Gerais. Também de grande importância histórico-cultural, por ser o local de nascimento do “Tiradentes”. Está situada no município de Ritápolis/MG. Sua zona de amortecimento abrange ainda os municípios de Coronel Xavier Chaves, Resende Costa e São João Del Rei. O ICMBio não dispõe de recursos suficientes para manter e estruturar as suas mais de trezentas unidades distribuídas pelo país. Esta unidade de conservação possui um potencial enorme para as atividades de uso público. O trabalho pretende se consolidar no sentido de desenvolver um produto turístico no local. Se desenvolvidas atividades de visitação atenderemos a grande maioria dos programas de gestão previstos, permitindo que a unidade seja efetiva na implementação de seu plano de manejo e na missão institucional. Para atingir aos objetivos propostos procuramos parceiros para superar as limitações de recursos. Depois de avaliar as possibilidades, estruturamos o uso público por meio de atividades de educação ambiental, em parceria com a Universidade Federal de São João Del Rei e prefeituras, estas pagando bolsas para universitários desenvolverem as atividades propostas. Disponibilizamos uma trilha interpretativa, material informativo, sinalização e preparamos um curso de formação de condutores ambientais para capacitar jovens moradores do entorno e habilitá-los a esta profissão. Concluídos todos estes objetivos, a unidade contribuirá com o desenvolvimento sustentável das comunidades do entorno, divulgará seu trabalho, sensibilizará pessoas em favor da conservação e das causas ambientais.

Palavras-chave: Parcerias, Uso público, Educação Ambiental, Recursos e Efetividade de Gestão.

Ano de Publicação: 2019

IMPLICAÇÕES DA INVISIBILIZAÇÃO DOS INGARIKÓ NA UNIDUALIDADE ESTABELECIDA PELO PARQUE NACIONAL DO MONTE RORAIMA - Tese de Doutorado

RESUMO

A criação do Parque Nacional do Monte Roraima no território do povo Ingarikó deu origem a uma sobreposição territorial. Por se tratar de uma unidade de conservação de proteção integral, a gestão da área ficou sujeita à conciliação entre a preservação da biodiversidade e o uso dos bens naturais. A despeito dos esforços de compatibilização, efetuados durante quase duas décadas, as partes diretamente envolvidas não conseguiram celebrar um acordo formal, nos moldes de um plano conjunto de gestão. Essa dificuldade suscitou questionamentos sobre um possível fator limitante ao sucesso das negociações. A continuidade da investigação conduziu à suspeita da existência de um processo de invisibilização desenvolvido pelo poder público contra o povo Ingarikó. Essa possibilidade conformou a tese e o objetivo da pesquisa, suscitando a verificação da existência de uma prática de invisibilização e seu eventual efeito limitante à conciliação entre a proteção integral e o usufruto indígena. O desenvolvimento da pesquisa demandou estratégias variadas de coleta de dados, incluindo levantamento documental, entrevistas semiestruturadas, questionários e observações. Os resultados indicaram que o governo optou pela invisibilização do povo Ingarikó para criar o parque nacional e formar um enclave entre esses indígenas e a linha de fronteira internacional. Tal iniciativa estabeleceu uma unidualidade na área sobreposta. Essa situação passou a demandar o fortalecimento da complementaridade entre as singularidades ao mesmo tempo concorrentes, antagônicas (ou contraditórias) e complementares, constituídas pela proteção integral e o usufruto indígena. Como reação a essa nova realidade imposta pelo poder público, os indígenas iniciaram uma luta pelo reconhecimento da sua territorialidade e redistribuição dos bens naturais. O embate foi marcado pelo uso das estratégias de representação simbólica, negociação com o órgão ambiental e resistência sutil. Apesar da conquista da visibilização da ocupação do território perante o poder público, permaneceu a invisibilização sobre as mudanças impostas pelo crescimento populacional nas experiências indígenas e seus reflexos em determinados componentes da biodiversidade. Em seu conjunto, a unidualidade, a legislação ambiental, o aumento demográfico do povo Ingarikó e suas respectivas estratégias de resistência e defesa estabeleceram cinco condições de fortalecimento da complementaridade entre a proteção integral e o usufruto indígena. A primeira consistiu no reconhecimento da área sobreposta como uma unidualidade. A segunda envolveu a necessidade de considerar a legislação ambiental e os direitos indígenas nas negociações entre as partes envolvidas. As demais condições corresponderam à troca de informações sobre o processo de gestão da área duplamente afetada, a proteção do território indígena e o combate à insegurança alimentar do povo Ingarikó. O atendimento dessas premissas se tornou dependente da ampliação da perspectiva de gestão, manifestada pela associação entre as iniciativas ecológicas e sociais, o reconhecimento das autonomias das partes envolvidas e a gestão conjunta. Essas providências favorecem o fortalecimento da complementaridade entre a preservação da biodiversidade e o uso dos bens naturais ao possibilitar a coexistência dessas singularidades e a geração de benefícios mútuos. Embora essas alternativas estejam postas às partes envolvidas, a invisibilização praticada pelo poder público limita os avanços nessa direção, afetando negativamente o processo de gestão da área sobreposta e consequentemente a conservação da biodiversidade e a qualidade de vida do povo Ingarikó. 

Palavras-chave: Unidade de conservação. Território indígena. Unidualidade. Invisibilização indígena.

Ano de Publicação: 2019

Necessidades e Expectativas dos Cidadãos-Usuários da Reserva Biológica do Rio Trombetas e da Floresta Nacional Saracá-Taquera: Análise de uma Perspectiva Estratégica para Resultados na Gestão - PGR4

RESUMO

Este trabalho apresenta os resultados de uma atuação prática de facilitação interna para o desenvolvimento de um diagnóstico de realidade, que consiste no levantamento de dados em campo e análise dos usuários atendidos e usuários-alvo das unidades de conservação e de suas reais necessidades e expectativas com relação à gestão do território das unidades de conservação que compõem o Núcleo de Gestão Integrada Saracá-Trombetas, no Estado do Pará: Reserva Biológica do Rio Trombetas e Floresta Nacional Saracá-Taquera. Este diagnóstico tem por finalidade embasar a definição das ações prioritárias para se alcançar os objetivos estratégicos da perspectiva cidadãos-usuários dos Mapas Estratégicos da RBRT e da FNST com maior eficácia, atualizando-se os mapas em questão, bem como subsidiar o atendimento dos parâmetros abordados no critério de excelência 3 (três) do Modelo de Excelência em Gestão Pública (MEGP), com o objetivo de potencializar os resultados da gestão.

Palavras chaves: Planejamento Estratégico, Rebio do Rio Trombetas, Flona Saracá-Taquera, Cidadãos-Usuários


Ano de Publicação: 2016

Mapeamento do Processo de Gestão do Programa Nacional de Voluntariado do ICMBio

RESUMO

Este trabalho apresenta os resultados de uma atuação prática de facilitação interna para o desenvolvimento do ‘Mapeamento do Processo de Gestão do Programa Nacional de Voluntariado do ICMBio’, atualmente sob a responsabilidade da Divisão de Gestão Participativa do Instituto. Os objetivos foram desenhar o fluxo das demandas de atividades de voluntariado, bem como definir o papel da equipe gestora do programa. Foi realizada uma oficina com a equipe, que teve uma breve contextualização teórica, seguida da apresentação e discussão dos fluxos elaborados anteriormente pela facilitadora, com base na Instrução Normativa que implementa o Programa. Dessa Oficina, derivou o produto da intervenção, que foram os mapas dos processos validados junto à equipe. A elaboração do mapeamento contribuiu com o fortalecimento da gestão do Programa, através da ampliação dos conceitos de gestão para resultados pela equipe, sob a égide dos ‘processos’, uma vez que trouxe a percepção de atribuições, atores e entregas de um processo, além da consolidação do papel da equipe enquanto gestão.

Palavras chaves: gestão por processos, voluntariado, equipe

Ano de Publicação: 2016

EM BUSCA DE EXCELÊNCIA NA GESTÃO: PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DO PARQUE NACIONAL DA SERRA DO ITAJAÍ - PGR4

RESUMO

Este trabalho apresenta os resultados de uma atuação prática de facilitação interna para o desenvolvimento do planejamento estratégico realizada no Parque Nacional da Serra do Itajaí, contribuindo com a reflexão e foco na gestão para resultados. Esta proposta se apresenta como uma importante ferramenta para o trabalho em equipe frente à necessidade em atender as demandas e priorizar ações estratégicas. Foram realizadas cindo reuniões com a equipe de Analista Ambientais do Parque onde abordou-se questões conceituais da metodologia, discussões sobre a UC no contexto local e regional e foram elaboradas a Missão, Visão, Negócio e o Mapa Estratégico utilizando o sistema de gestão Balanced Scorecard (BSC).

Palavras chaves: Planejamento Estratégico, Parque Nacional da Serra do Itajaí, Balanced Scorecard, BSC.

Ano de Publicação: 2016

ANÁLISE E MAPAMENTO DO PROCESSO DE AUTORIZAÇÃO DE USO PARA OS CONDUTORES DE VISITANTES EM UNIDADES DE CONSERVAÇÃO - TCC PGR4

RESUMO

Este trabalho apresenta os resultados práticos de facilitação e discussão interna para o desenvolvimento do mapeamento do processo da portaria de autorização de uso para condutores de visitantes em UC, que, atualmente, é desenvolvido na Divisão de Serviços de Apoio à Visitação - DSAV/Coordenação Geral de Uso público e Negócios - CGEUP do ICMBio. Os objetivos foram aplicar os conhecimentos desenvolvidos e aprimorados no Ciclo de Gestão para Resultados e desenvolver e aplicar melhoria para a gestão das atividades, bem como proceder a uma análise critica deste processo com mapeamento e desenho do fluxo AS IS e, proposição de melhoria com desenho do fluxo TO BE. O desenvolvimento deste trabalho contribui para a percepção da equipe para o conceito de mapeamentos e de gestão para resultados, bem como contribuir para a melhoria para a gestão das atividades voltadas para uso público nas unidades de conservação.

Palavras chaves: gestão de processos, fluxos, mapeamento.

Ano de Publicação: 2016

Modelagem do Macroprocesso de Manejo Florestal e Licenciamento Ambiental do Núcleo de Gestão Integrada de Itaituba - PGR4

RESUMO

Este trabalho apresenta os resultados de uma atuação prática de facilitação interna para o desenvolvimento da Modelagem do Macroprocesso de Manejo Florestal e Licenciamento Ambiental realizada no Núcleo de Gestão Integrada de Itaituba contribuindo para a melhoria do macroprocesso e do NGI de Itaituba. O trabalho foi realizado entre os meses de maio e julho de 2016, no qual foram realizadas entrevistas e reuniões com servidores do NGI envolvidos com o processo. Os produtos elaborados foram a Análise do Processo (Modelo AS-IS), o Desenho do Processo (Modelo TO-BE) e a Manualização do Processo (Modelo TO-DO).

Palavras chaves: modelagem de processos, autorização direta, manejo florestal, licenciamento ambiental, núcleo de gestão integrada.

Ano de Publicação: 2016

APLICAÇÃO DE CRITÉRIOS DE LIDERANÇA E ESTRATÉGIAS COMO INSTRUMENTO DE PROMOÇÃO DA CULTURA DE EXCELÊNCIA EM UNIDADES DE CONSERVAÇÃO. - TCC PGR4

RESUMO

Este trabalho apresenta os resultados de uma atuação prática de facilitação interna para o desenvolvimento de planejamento estratégico, realizada na Área de Proteção Ambiental Costa das Algas e do Refúgio de Vida Silvestre de Santa Cruz, contribuindo com a proposição de melhorias para a gestão das unidades de conservação. O trabalho foi realizado em três etapas, sendo que a primeira consistiu no planejamento da estratégia de gestão da APA Costa das Algas e RVS de Santa Cruz, em conjunto com a equipe destas UCs. A segunda etapa consistiu na identificação das partes interessadas, seus interesses e expectativas. E por fim na terceira etapa, procedeu-se com a avaliação da proposta de modelo de negócios da APA e RVS. Ao final do trabalho, verificou-se que o método empregado foi adequado para início do processo de planejamento estratégico das referidas unidades de conservação, sendo necessária, em continuidade ao trabalho realizado, a definição de indicadores para a avaliação do êxito de alcance dos objetivos estratégicos elencados, bem como o estabelecimento de metas de curto e longo prazos com base nos requisitos das partes interessadas elencados.

Palavras chaves: Unidades de Conservação, Planejamento Estratégico Balanced Scorecard, CANVAS.

Ano de Publicação: 2016

MODELAGEM DO PROCESSO DE MANIFESTAÇÃO DO INSTITUTO CHICO MENDE S NO LICENCIAMENTO AMBIENTAL , EM ÁREAS ONDE OCORRE DESOVAS DE TARTARUGAS MARINHAS

RESUMO

Este trabalho apresenta os resultados de uma avaliação interna para o desenvolvimento da identificação e mapeamento do processo para manifestação do Instituto Chico Mendes no processo de licenciamento ambiental, em áreas onde ocorre a desova de tartarugas marinhas, no âmbito do disposto pela resolução CONAMA no 10/1996, como uma ferramenta gerencial e de comunicação que tem a finalidade de ajudar a melhorar os processos existentes ou de implantar uma nova estrutura voltada para processos. O trabalho foi realizado no Centro TAMAR/ICMBio, nas Bases Avançadas e Sede do TA MA R onde há analistas ambientais que elaboram manifestações técnicas acerca de licenciamentos ambientais e demais intervenções em ambientes que causem ou possam causar impactos sobre populações de tartarugas marinhas, sendo que foram elaborados, em conjunto com a equipe destas Bases, o mapeamento A S-IS, análise de melhorias e o desenho TO-BE do processo de licenciamento. Percebeu-se neste trabalho que o disposto na IN 07/2014 nã o se aplica à realidade atual do Instituto Chico Mendes e recomenda-se a revisã o do texto da normativa, bem como a redefinição do procedimento interno do Centro TA MA R, racionalizando o processo, minimizando desperdícios, removendo atividades que não agregam valor do ponto de vista do cliente e simplificando as operações.

Palavras chaves: Licenciamento Ambiental; Gestão por Processos; Mapeamento e análise de Processos.

Ano de Publicação: 2016